Gilberto Maringoni | A “crise estável” é a aposta de Temer

Gilberto Maringoni | A “crise estável” é a aposta de Temer

A "crise estável" é a aposta de Michel Temer

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:
→ Manifestação 10/07, no MASP: Não a Reforma Trabalhista!
→ Manter a mobilização e intensificar a pressão sobre o Senado. Não à reforma trabalhista!
 Reforma trabalhista: estudo aprofundado do CESIT aponta regressão


  • Gilberto Maringoni*

A economia parou de piorar. O governo percebe isso e tenta uma sobrevida

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

¿Como estás, Don Inodoro?

– Malo, pero acostumbrado…

(Tira de quadrinhos de Inodoro Pereyra, de Roberto Fontanarossa)

É possível que o Brasil tenha entrado em um período de normalização da crise, ou algo aparentado com a “normalidade sofrente”, de que nos falava Cristophe Dejours, em O trabalho entre o sofrimento e o prazer. Não se trata de mera passividade ou conformismo, mas de um patamar a não ser perdido diante de uma situação de incertezas. Há muito de resignação e pouco de mobilização entre os de baixo. 

A sensação geral, no dia a dia, é que a vida parou de piorar, ou piora menos do que vinha piorando. Estabilizou-se um quadro ruim. Não resolve nada, mas torna as dificuldades previsíveis. Se não houver nenhum solavanco, dá para tocar a vida, mesmo com preços altos, alguém da família desempregado e uma dificuldade constante para se pagar as contas. 

A percepção não é destituída de fundamentos: os indicadores econômicos parecem apontar nessa direção. Embora o investimento – privado e público – tenha desabado, o desemprego se estabiliza no patamar de 14% da população economicamente ativa, a balança comercial melhora, menos pelo aumento do volume de exportáveis e mais pela elevação de preços de alguns produtos primários, entre eles minérios. A decadência entra em uma curva descendente mais suave.

Teremos rua?

Qual a consequência politica imediata? A de que dificilmente teremos multidões nas ruas contra o governo Michel Temer nas próximas semanas, a não ser que o imponderável desça à Terra. Nada semelhante ao ocorrido no início de 2016, quando o alvo era Dilma Rousseff. Se Temer cair, será por ação de cima, após cumprir com sua tarefa central, a aprovação das reformas. 

Muita gente se pergunta porque as ruas não estão tomadas por milhões de manifestantes, como às vésperas do golpe. É bem possível que a intensa campanha midiático-jurídica contra a administração petista há pouco mais de um ano tenha contado com a percepção geral da abrupta contração econômica motivada pela terapia de choque ortodoxo aplicada pela então presidenta.

Ali não havia perspectiva alguma de estabilidade. Ao contrário, a expectativa alimentada pela campanha eleitoral do PT, em 2014, era a de que a vitória de Dilma manteria direitos, crescimento econômico e pleno emprego. A decepção e a piora da vida foram abruptas. 

Queda real e imediata

Lembremos: no momento imediato à vitória, a mandatária decidiu acelerar a aplicação do receituário ultraliberal. Este envolveu seguidas elevações da taxa Selic – que passou de 11% em 29 de outubro de 2014 para 14,25% em 2 de setembro do ano seguinte. O tarifaço nos preços administrados, desfechado em janeiro de 2015, levou o IPCA do ano a fechar em 10,67%, o mais alto desde 2002, e bem acima dos 6,14% do ano anterior. 

A trajetória do desemprego – de acordo com o IBGE – variou de 6,5% no último trimestre de 2014 (uma situação de virtual pleno emprego) para 9% um ano depois, num aumento de 50%. Em 2015, com a economia sob a batuta de Joaquim Levy, o PIB foi negativo em 3,8% – o pior resultado em 25 anos – com consequências desastrosas para a popularidade presidencial. Às vésperas do golpe (abril de 2016), o desemprego batia em 11,2%. 

Dilma, segundo o Datafolha, apresentou 42% de ótimo e bom e 20% de ruim e péssimo no momento de sua reeleição (21 de outubro de 2014). Cinco meses depois, logo após o tarifaço e a mudança de rumos na economia, os índices foram 13% de ótimo e bom e 62% de ruim e péssimo, um mergulho previsível. A porcentagem de aprovação chega a cair abaixo de 10% em 4 de agosto. Ou seja, em menos de um ano, a população sentiu na pele o desastre da nova orientação econômica.

A trombada na economia – emprego, inflação, queda da renda – gera uma decepção imediata, em nítido contraste com expectativas acalentadas no período eleitoral. A queda brusca na qualidade de vida serve de combustível para o chamamento às ruas feito pelos setores golpistas. 

Vamos ressaltar o raciocínio desenvolvido até aqui: não foi a baixa popularidade de Dilma que impulsionou a mobilização oposicionista, mas seu ritmo, gerando instabilidade e insegurança.

Decadência segura

Michel Temer toma posse em abril de 2016, num quadro já dado de retração econômica, aumento do desemprego e baixa expectativa com sua administração. A aprovação do peemedebista se inicia – sempre pelo Datafolha – com 14% de ótimo e bom e 31% de ruim e péssimo, em julho de 2016. Os indicadores caem, respectivamente para 10% e 51% (dezembro de 2016), 9% e 61% (abril de 2017) e 7% e 69% (julho de 20187). Embora a queda seja evidente, ela é muito menos abrupta do que a de Dilma. 

No que toca ao crescimento, 2016 fecha com um PIB negativo de 3,6%, um desastre, mas algo contabilizado no legado do PT, aos olhos da maioria da população. A rota do desemprego segue em elevação. No último trimestre de 2016, a taxa sobre para 11,9%, no primeiro trimestre deste ano, ela alcança 13,2% e agora se encontra em 13,3%. Não nos esqueçamos o já dito: Dilma deixou a taxa em 11,2%. Nesse quesito, não há um contraste nítido entre os efeitos sentidos nas duas administrações. 

A estabilidade na crise não gera sustos, mas uma dolorosa resignação popular. Ao mesmo tempo que a desocupação e a falta de investimentos acentuam o medo de desemprego – o que inibe mobilizações – a expectativa de uma situação péssima sem sustos não desperta espasmos de indignação, mas uma tensa expectativa. 

O soluço de protestos

É bom frisar aqui que houve um momento de ascensão de mobilizações, entre março, abril e parte de maio deste ano. O período se inicia com o 8 de março, passa por protestos nacionais uma semana depois e culmina com a greve geral de 28 de abril. Por que isso aconteceu e por que houve recuo? 

Possivelmente por dois motivos: 1. A campanha contra a reforma da Previdência realmente sensibilizou a população. O medo de perder a aposentadora e ações unitárias do movimento sindical tocaram fundo a percepção popular sobre as previsíveis perdas de direitos. 2. As denúncias de Joesley Batista colocaram o governo contra a parede por pelo menos duas semanas.

Temer resistiu, comprou apoios e dois outros fatores entraram em cena: os efeitos da liberação dos saques do FGTS, que remediaram no curto prazo as contas familiares de parte da população, e a já comentada sensação de que a vida parou de piorar tanto. 

Temer cairá?

É muito difícil prever uma onda de ira a partir de baixo num quadro desses. As sucessivas manobras legais e ilegais realizadas por Michel Temer e sua trupe têm sido absorvidas por grande parte do empresariado, que não quer mexer em time que faz as reformas regressivas de seu interesse. Um novo impeachment a pouco mais de um ano das eleições de 2018 pode causar uma turbulência indesejável na economia. 

A previsão a seguir é arriscada, mas nada parece desmenti-la. Michel Temer só cairá se o incômodo provocado aos de cima se tornar insuportável pela falta de confiança econômica. Se depender, por exemplo, da Globo, Temer será riscado do mapa assim que aprovada a reforma trabalhista, numa sina semelhante á de Eduardo Cunha. É bom lembrar: o ex-presidente da Câmara parecia ser o condestável da República até a votação do impeachment. Defenestrada a presidenta e cumprido seu papel, o parlamentar tornou-se imediatamente carta fora do baralho e foi triturado por uma motoniveladora jurídico-midiática. 

A única chance de Michel Temer sair do palácio antes do tempo regulamentar assemelha-se ao mecanismo desfechado contra Cunha. Nenhum dos grandes partidos – na situação e na oposição – parece levar muito a sério sua derrubada com multidões nas ruas.

Não é a crise em si que derruba governos, mas a instabilidade e a imprevisibilidade sobre o futuro. 

Que fazer?

A constatação do fôlego governamental não altera o andamento das reformas no Congresso. Embora o cenário seja adverso, a base governista segue com problemas. Os setores de direita do movimento sindical – em especial Força e UGT – fizeram um acordo com Michel Temer para aprovar com mudanças a reforma trabalhista e passarão à história como os patetas do período. 

A corrosão do apoio em várias áreas, o adiamento da reforma da Previdência para um futuro indefinido são brechas pelas quais a luta a partir de baixo pode avançar. Não há alternativa se não manter a pressão.

*Gilberto Maringoni é professor de Relações Internacionais da UFABC e foi candidato ao governo de São Paulo pelo PSOL.

Fonte: Carta Capital


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários