fbpx

Intervenção sobre a COVID-19 na Argentina da dirigente sindicalista, Lucila Duhalde, em entrevista com Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical

COVID-19 na Argentina

Lucila Duhalde*

Sou grato por, nestes tempos difíceis, estarmos abrindo espaços de troca como este, permitindo refletir e repensar a situação de nossos países e da região.

Gostaria de mencionar os números referentes aos infectados, falecidos e recuperados pelo COVID 19, considerando que na Argentina somos 44 milhões de habitantes:

  • 24.761 infectados
  • 717 mortos por COVID 19
  • 7568 recuperados do COVID 19

Embora tenhamos que lamentar 717 mortes em nosso país, esses números são baixos em relação a outros países da região, na relação proporcional, é claro, já que quando os casos do COVID-19 começaram a ser conhecidos na Argentina, nosso Presidente tomou a decisão de colocar a vida dos cidadãos acima de qualquer outra coisa.

Em 19 de março, foi decretado o isolamento social, preventivo e obrigatório para toda a população argentina, com o objetivo de restringir a disseminação do coronavírus, excluindo produção, suprimento, serviços de saúde e todos os serviços essenciais. A população em geral só podia sair por razões excepcionais e comprar provisões.

Nosso Presidente considerou na época e continua sustentando que o PIB está se recuperando, como vimos em outras crises econômicas, mas uma vida que está saindo não pode ser recuperada. Por isso, ele decidiu disponibilizar o aparato estatal para garantir a vida dos cidadãos argentinos. Mantendo-nos em quarentena, impedimos o disparo da curva de contágio e, ao mesmo tempo, reforçamos todo o sistema de saúde no momento em que o pico natural do contágio chega, que é o que estamos experimentando agora.

A essa crise de saúde, devemos acrescentar que na Argentina viemos de uma crise econômica muito forte, produto de quatro anos do governo neoliberal de Macri, que dizimou a população aumentando o número de pobres em 9%, o que esvaziou nossas instituições de conteúdo. e sob a patente do Ministério da Saúde para Secretário de Saúde.

Hoje, temos muitas famílias vivendo na pobreza, superlotadas e sem serviços essenciais para a vida humana, e é aqui que o vírus se espalha mais rapidamente. Por essa razão, parece-me importante enfatizar que a pandemia torna ainda mais visíveis as desigualdades estruturais de nossas sociedades.

MEDIDAS

Nesse contexto mencionado, o governo argentino estava gradualmente tomando medidas econômicas para aliviar a crise e não continuar atingindo a classe trabalhadora e os que têm menos.

Por isso, gostaria de falar sobre algumas medidas para que você possa ver os esforços que estão sendo feitos para os setores mais vulneráveis, mulheres, jovens, trabalhadores da economia popular e informal, idosos, aposentados, povos indígenas, entre outros. Clicando aqui você pode entrar para ver todas as medidas.

  • ITENS FORAM AUMENTADOS PARA ATENDER A SALAS DE JANTAR DA ESCOLA
  • O ORÇAMENTO FOI AUMENTADO PARA GARANTIR FAMÍLIAS EM CONDIÇÕES DE VULNERABILIDADE, ATRAVÉS DE UM CARTÃO, ACESSO À CESTA BÁSICA
  • FORNECIDO UM BÔNUS EXTRAORDINÁRIO QUE ATINGE MAIS DE 9 MILHÕES DE SÊNIOR, PENSIONISTAS E TITULARES DE PLANOS SOCIAIS
  • PARA AUXILIAR ECONOMICAMENTE OS QUE ESTÃO DENTRO DA ECONOMIA INFORMAL E DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS, FOI CRIADA UMA RECEITA DE US $ 10.000 PARA A FAMÍLIA DE EMERGÊNCIA, QUE FOI COBRADA EM ABRIL PELA PRIMEIRA VEZ E ATINGIU 9 MILHÕES DE PESSOAS AINDA PESQUISANDO DE JUNHO
  • CORTE DO FORNECIMENTO DEVIDO À FALTA DE PAGAMENTO DE TELEFONIA ELÉTRICA, ÁGUA, GÁS, TELEFONIA FIXA E MÓVEL, INTERNET E TELEVISÃO DE CABOS, PARA AQUELES QUE SÃO PROPRIETÁRIOS DE ALGUM PLANO SOCIAL, APOSENTADOS PESSOAS, PESSOAS SEGURO DE DESEMPREGO, PARA EMPRESAS PEQUENAS E MÉDIAS, COOPERATIVAS DE TRABALHO E EMPRESAS RECUPERADAS
  • DISPOSTO EM CONGELAR OS ALUGUEL E SUSPENDER AS EVICÇÕES
  • DECIDIDO CONGELAR CONTEÚDO DE TELEFONIA FIXA, INTERNET MÓVEL E PAY TV para garantir a conectividade e o acesso total aos serviços
  • PREÇOS MÁXIMOS DETERMINADOS PARA A CESTA BÁSICA DOS PRIMEIROS PRODUTOS NECESSÁRIOS
  • É PROIBIDO DEMITIR E SUSPENDER OS TRABALHADORES
  • SEGURO DE DESEMPREGO REFORÇADO
  • UM PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA A EMERGÊNCIAS DE TRABALHO E PRODUÇÃO FOI CRIADO PARA TRABALHADORES COMO TRABALHADORES
  • Foi renovado um programa para adquirir produtos em cotas para incentivar o consumo interno
  • CRÉDITOS PARA QUE EMPRESAS PEQUENAS E MÉDIAS PAGAM O SALÁRIO DE SEUS TRABALHADORES
  • EXTENSÃO DO PRAZO DE ENDIVIDAMENTO PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS
  • E CURSO O ORÇAMENTO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE, HOSPITAIS NACIONAIS E LABORATÓRIOS FOI AUMENTADO, O QUE TAMBÉM PERMITA A CRIAÇÃO DE UM KIT PARA A DETECÇÃO DE CORONAVÍRUS QUE PODERÃO SER MASSIFICADOS E ALCANÇAR MAIS CASOS POSSÍVEIS.

Por fim, é uma novidade divulgada na segunda-feira passada e estamos muito animados porque nosso governo tomou uma decisão histórica, que é desapropriar um dos maiores conglomerados do agronegócio do país, dedicado ao exportação de grãos e subprodutos, como farinhas e óleos. A decisão de desapropriar esta empresa está relacionada ao fato de ter uma dívida de mais de 99 milhões de pesos, dos quais 18 milhões estavam com o Estado argentino e declarou uma inadimplência no final de 2019. Para nós, isso é muito importante medida porque inicia um caminho para a soberania alimentar e nos permite começar a discutir seriamente o modelo de produção argentino.

Todas essas medidas que eu mencionei foram as que o governo nacional estava tomando desde março e atualizou e ampliou, conforme a situação geral progredia, isso nos permitiu alcançar a fase em que estamos hoje.

Atualmente, apenas 15% do país permanece em quarentena, pois ainda permanece no estágio de transmissão da comunidade, onde as pessoas só podem sair de casa para fazer compras ou trabalhar e tarefas consideradas essenciais ou para empregos excluídos. Esses 15% correspondem principalmente à capital federal do país e sua região metropolitana, capital da província de Chaco e Córdoba e outras cidades de Río Negro.

Nessas áreas, o plano de detecção mencionado acima é aplicado para procurar e identificar novos casos.

Mas os 85% restantes do país conseguiram evitar a propagação do vírus, então já houve um renascimento social e produtivo. Nas 18 províncias em que não há circulação comunitária do vírus, hoje existe apenas um distanciamento social preventivo, ou seja, são mantidas medidas de prevenção, mas fábricas, lojas e diversos empreendimentos produtivos já estão abertos. 79% da nossa indústria, como 81% das lojas do país e 100% das atividades agrícolas, não têm restrições para operar. Cinemas, teatros e clubes ainda estão fechados e a entrada de estrangeiros, trânsito inter-jurisdicional e turismo continua proibida.

A verdade é que as medidas adotadas pelo governo foram elogiadas pela OMS, mas também foram muito bem recebidas pela maioria da população, incluindo as mais afetadas pela quarentena, como os trabalhadores da Na economia popular, eles reconhecem que o governo está cuidando da vida dos cidadãos e está impedindo que mais famílias sejam infectadas e morram.

Mas não podemos deixar de mencionar que existem setores que, mesmo em uma situação tão crítica quanto a que vivemos, defendem descaradamente modelos ultra-produtivos que prejudicam o meio ambiente e que não representam povos, mas interesses individuais. Existem alguns setores da política argentina em conjunto com empresas de mídia que insistem em plantar discursos de ódio, como o conceito de “infecção” associando as medidas que o governo toma com o comunismo, o que gera apenas mais divisão e mais violência na sociedade. . É por isso que aprecio esse espaço por poder contar todo o esforço que o governo argentino e seu povo têm feito para enfrentar o coronavírus.

Antes de concluir, não quero deixar de mencionar outra pandemia que atravessa a humanidade e que também afeta nossa região, que são femicídios. que infelizmente são agravadas por esse contexto, dado que muitas vítimas foram confinadas em confinamento com seus agressores. Embora reconheçamos o esforço que o Estado argentino fez para implementar a lei com uma perspectiva de gênero em nível nacional e em todas as províncias, isso não é suficiente, porque continuamos a perder muitas mulheres nas mãos da violência masculina. É por isso que acredito que é necessário continuar trabalhando pela erradicação da violência e pela aplicação de uma perspectiva de gênero no executivo, legislativo e, especialmente, no judiciário e em todos os níveis.

Voltando à questão do Covid-19 na Argentina e encerrando, quero destacar que o Governo Nacional da Argentina manteve um diálogo permanente com os Governadores das Províncias, incluindo aqueles que pertencem a partidos políticos da oposição, sentou-se com o setor privado , com organizações sociais, com a comunidade científica e especialistas em saúde, o que lhe permitiu tomar decisões representativas da vontade popular e que o Estado é efetivamente o garante do bem comum.

Da mesma forma, o Presidente manteve comunicação fluida com a população, notificando cada uma das medidas adotadas e as decisões de prolongar a quarentena, mostrando dados específicos sobre os resultados obtidos.

Afirmamos que as vítimas fatais não foram maiores, graças a um Estado atual que cuida de seus cidadãos, colocando a vida do todo em primeiro lugar, sobre os interesses individuais. Mas sabemos que apenas o Estado não pode recuperar o país, precisa de movimentos e organizações sociais, empresas e cidadãos, pensamos em uma saída da pandemia com a unidade desses setores que coloca o ser humano no centro e seu bem estar.

*Lucila Duhalde é formada em Ciência Política e membro da FORJA

Assista aqui à entrevista completa:

ACHOU ESSA INFORMAÇÃO IMPORTANTE?Inscreva-se para receber nossas atualizações em seu e-mail

*

Top