Corte Interamericana de Direitos Humanos deve concluir neste ano o julgamento de trabalho escravo no Brasil

Corte Interamericana de Direitos Humanos deve concluir neste ano o julgamento de trabalho escravo no Brasil

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A Corte Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA), em San José (Costa Rica), realizou na última sexta-feira (19) a audiência sobre a existência de milhares de trabalhadores submetidos, entre 1989 e 2000, a trabalho escravo, forçado e servidão na Fazenda Brasil Verde, no Pará. Se condenado, o Brasil terá de ressarcir os trabalhadores e suas famílias. Além disso, terá de adotar medidas e leis para prevenir casos semelhantes.

O processo segue em curso ao longo deste ano. Em março, haverá uma fase de apresentação de argumentos sobre o caso. A previsão é de que a Corte finalize o julgamento ainda este ano.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

“Esperamos que a sentença da Corte ajude a dar visibilidade ao trabalho escravo no Brasil”, disse a diretora executiva do Centro pela Justiça e Direito Internacional, Viviana Krstcevic. “É preciso que haja medidas penais e econômicas que permitam inibir a escravidão moderna”, afirmou.

O Brasil é criticado por entidades de direitos humanos por ter negligenciado os fatos, deixando de acionar os proprietários de fazendas e indústrias que submeteram trabalhadores a formas degradantes de trabalho.

O juiz brasileiro Roberto Caldas, que tomou posse há uma semana na presidência da Corte Interamericana de Direitos Humanos, não participou da audiência. Seis juízes, que participaram da audiência, vão examinar e julgar se existiu ou não trabalho escravo no Brasil na Fazenda Brasil Verde.

O caso em análise aconteceu em Sapucaia, no Pará, entre os anos de 1989 e 2000. No local, cerca de 340 trabalhadores viviam em situação análoga a de escravo. Eles eram submetidos a jornada exaustiva, condição degradante e servidão por dívidas.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários