Hoje é Dia Nacional de Luta contra as arbitrariedades do Santander

Hoje é Dia Nacional de Luta contra as arbitrariedades do Santander

arbitrariedades do santander

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Não há justificativa para as demissões. O Santander apresentou lucro de 3,8 bilhões de reais, nos primeiros três meses do ano, alta de 10,5% em relação ao mesmo período do ano anterior. O lucro obtido no Brasil representou 29% do lucro global.

Crise para os bancos? O Governo Federal brasileiro liberou aos bancos mais de R$ 1 trilhão, o que desmente a justificativa do Santander em demitir por conta de ajuste econômico gerado pela crise.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Em março, o Santander se comprometeu publicamente em mesa de negociação com o movimento sindical em suspender as demissões que poderiam estar em andamento e a não demitir enquanto a pandemia perdurar no país. O que mudou Santander?

O desrespeito do Santander não é somente com o trabalhador, mas toda a sociedade brasileira. As práticas antissindicais do banco se tornaram frequentes e o desrespeito só aumenta. Você trabalharia em um banco que pode te demitir durante uma pandemia?

O Santander justificou as demissões durante a pandemia declarando que a “meritocracia é um dos grandes valores da instituição”. Em média, a diretoria executiva do banco recebeu 9,4 mi em 2019, será que eles têm o mesmo tratamento dos trabalhadores?

O Santander opera como concessão pública no Brasil, país do qual retira a maior parcela do seu lucro mundial. E deve oferecer contrapartidas, como tarifas e taxas não extorsivas e não contribuir para a já elevada taxa de desemprego no país.

Se o Santander não está realizando demissões nos outros países onde opera, queremos o mesmo tratamento no Brasil. Reivindicamos que a negociação e os acordos firmados com os representantes dos trabalhadores sejam respeitados.

Realizar demissões em meio a uma pandemia global, da qual o Brasil é o novo epicentro, é praticar uma gestão desumana. Se em condições normais já é difícil conseguir uma recolocação profissional, imaginamos como os trabalhadores vão ficar agora.

#SantanderRespeiteOBrasil

Fonte: Sindicato dos Bancários de São Paulo

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários