Congresso tira direitos de trabalhadores rurais

Congresso tira direitos de trabalhadores rurais

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Repórter Brasil / Piero Locatelli

Em meio à discussão sobre aumento de tributos, senadores aprovam mudança que pode derrubar pagamento por horas em deslocamento em fazendas.

Em meio à discussão sobre o aumento de impostos no Congresso, mudanças aprovadas sem alarde retiram direitos de trabalhadores rurais. Se aprovadas pelo plenário, elas acabam com o pagamento das horas gastas em longos deslocamentos fornecidos pelo empregador dentro e fora da propriedade. Segundo o novo texto, o tempo que o trabalhador rural gasta assim, a chamada hora in itinere, não mais será somada à sua jornada de trabalho.Deputados e senadores adicionaram dois artigos que podem modificar a CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) em um texto que trata de outro tema – a Medida Provisória 668, que aumenta o PIS e o Cofins. O texto foi aprovado na última quarta-feira 6 pela comissão especial criada para avaliar a proposta. O projeto ainda vai ao plenário.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O direito a receber por estas horas é previsto no artigo 58 da CLT, que prevê o pagamento quando o empregador fornecer a condução em “local de difícil acesso ou não servida por transporte público.” O novo texto também vai contra o atual entendimento da Justiça trabalhista. Segundo a súmula 90 do Tribunal Superior do Trabalho (TST), este tempo deveria ser contado na jornada.

A nova lei define ainda que o trabalho no calor do sol, sozinho, não é motivo para o pagamento de adicionais de insalubridade. Se aprovada, ficaria instituído que profissionais expostos ao calor natural, como carteiros ou cortadores de cana, não terão direito ao adicional de insalubridade, a não ser que também enfrentem outras situações prejudiciais. Hoje não há uma legislação específica para casos assim, mas o TST vinha negando o benefício nessa situação.

“Presentinho” ao agronegócio

O maior beneficiário dessas mudanças é o setor agrícola, segundo o juiz do trabalho Marcus Barberino, da 15 ª Região. “É um movimento oportunista do setor sucroalcooleiro”, disse o magistrado. Segundo ele, a aprovação foi um “presentinho” aos produtores de itens como cana, laranja e café.

A MP é uma das medidas econômicas lançadas pelo Governo Federal para aumentar a arrecadação da União, mas os itens que modificam a CLT não constavam no projeto original do Executivo. Eles foram adicionados no relatório do deputado Manoel Junior (PMDB-PB), e o texto foi aprovado por unanimidade pelos 22 membros da comissão. Para ter validade, o projeto ainda deve ser aprovado pelos plenários da Câmara e do Senado, e depois passar pelo veto da presidência.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários