Congresso aprova a DRU que permite 30% de cortes em áreas sociais

Congresso aprova a DRU que permite 30% de cortes em áreas sociais

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O Senado concluiu nesta quarta-feira (24) a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que prorroga a chamada Desvinculação de Receitas da União (DRU) até 31 de dezembro de 2023 – uma derrota irreparável para os movimentos sociais e povo brasileiro. O texto aprovado permite aos governos estadual, municipal, DF e União usarem livremente 30% das receitas que hoje são destinadas, por determinação constitucional ou legal, a órgãos, fundos e despesas específicas.

Isso significa na prática que 30% das verbas destinadas a programas sociais, moradia, saneamento, cultura, segurança, entre outros, serão deslocadas para áreas que o ilegítimo presidente Michel Temer achar prioritária.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A proposta não alcança os recursos destinados à saúde, à educação e à transferências constitucionais de estados e municípios. Em relação à União, não há essa previsão, e ela poderá gastar como quiser.

A desvinculação também não incidirá, pelo projeto, sobre fundos criados pelo Poder Judiciário, pelos tribunais de contas, pelo Ministério Público e pelas defensorias públicas, no âmbito dos estados, do Distrito Federal e dos municípios. Os fundos constitucionais do Norte, Nordeste e Centro-Oeste também não poderão ter as receitas desvinculadas.

A proposta foi originalmente enviada pela presidente afastada Dilma Rousseff, no ano passado, e também estabelecia um percentual de desvinculação de 30% menores, mas não incluía estados e municípios, o que foi alterado pela Câmara dos Deputados.

Por se tratar de uma mudança na Constituição, a proposta precisou passar por dois turnos de votação, com o apoio de pelo menos 49 senadores. Como já foi aprovado pela Câmara, o texto seguirá para promulgação, com data ainda não definida. É quando a DRU voltará a valer.

A PEC foi aprovada por 56 votos a favor e 13 contra nas primeira votação e por 54 votos favoráveis e 15 contrários no segundo turno. Para uma PEC ser aprovada no Senado são necessários 49 votos favoráveis em cada votação. Havia um temor entre senadores governistas de que o segundo turno ficasse para ser votado apenas depois das eleições municipais, devido a baixa presença de senadores.

A recriação da DRU terá efeito retroativo a 1º de janeiro de 2016. O governo tentava aprovar o mais rápido possível a DRU, porque o instrumento perdeu a validade em dezembro.

Segundo o relatório do senador José Maranhão (PMDB-PB), a desvinculação das contribuições sociais deverá liberar R$ 110,9 bilhões; a da contribuição de intervenção no domínio econômico (Cide), R$ 4,6 bilhões; e a das taxas, R$ 2,2 bilhões. No total, a desvinculação atingiria R$ 117,7 bilhões no exercício financeiro de 2016.

INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhardora

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

PEC 32 da REFORMA ADMINISTRATIVA é adiada, vitória dos trabalhadores
PEC 32 da REFORMA ADMINISTRATIVA é adiada, vitória dos trabalhadores
PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários