Comissão Justiça e Paz da arquidiocese de Brasília debaterá violações de direitos dos povos indígenas

Comissão Justiça e Paz da arquidiocese de Brasília debaterá violações de direitos dos povos indígenas

Comissão Justiça e Paz da arquidiocese de Brasília debaterá violações de direitos dos povos indígenas

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Na próxima segunda-feira (07) a Comissão Justiça e Paz da Arquidiocese de Brasília (DF) realizará uma conversa com o tema Os povos indígenas no contexto de violação de direitos humanos no Brasil.

O evento contará com a participação de Eliseu Lopes Guarani Kaiowá, membro da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) e Cleber Buzatto, secretário-executivo do Conselho Indigenista Missionário (CIMI).

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Com início às 19 horas, “Conversas de Justiça e Paz” ocorrerá no auditório Dom José Freire Falcão, anexo da Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida, Brasília.

O convite estende-se a toda comunidade.

Povos indígenas e o contexto nacional

O recrudescimento da violência contra os povos indígenas, a falta de demarcação de suas terras, os problemas orçamentários enfrentados atualmente pela Fundação Nacional do Índio (FUNAI), o progressivo sucateamento dos serviços de saúde indígena, as investidas legislativas de supressão de direitos, entre outros fatores têm levado o movimento indigenista brasileiro a reforçar suas alianças e aumentar sua mobilização cidadã.

Recentemente, no dia 22 de junho, uma delegação de 24 adolescentes e jovens Guarani Kaiowa foi recebida pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Carmem Lúcia.

Em resposta aos anseios dos jovens e adolescentes, Carmem Lúcia afirmou estar acompanhando a situação das demarcações e homologações das terras indígenas.

“Vou tentar ajudar para que a esperança de vocês não morra. O Judiciário está cada vez mais atento a essa realidade”, afirmou a ministra.

Em outra frente de mobilização, a delegação Guarani Kaiowá foi recebida em audiência pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados. Eliseu Lopes, membro do conselho Aty Guasu, questionou a atuação do estado brasileiro na efetivação das políticas indígenas. “No passado, pedíamos 10% do que era o nosso território. Agora, estamos querendo apenas 0,2% dessa área para nossa sobrevivência. Não queremos vender a mãe-terra”, ressaltou.

Eliseu Lopes Guarani Kaiowá  partilhará as lutas dos povos indígenas no evento do dia 7, próxima segunda-feira.

Papa Francisco e os povos indígenas

Na audiência que concedeu em fevereiro aos representantes dos povos indígenas presentes em Roma (Itália), por ocasião do 3º Fórum de Povos Indígenas, o papa Francisco pediu aos governos que respeitem, valorizem e consultem os povos indígenas. “Creio que o principal problema está em como conciliar o direito ao desenvolvimento, incluindo também o tipo social e cultural, com a proteção das características próprias, dos indígenas e seus territórios”, disse.

O Pontífice também pediu que se reconheça o papel das populações indígenas em uma sociedade global e em transformação. “Um segundo aspecto se refere à elaboração de diretrizes e projetos que tenham em conta a identidade indígena, que prestem uma atenção especial aos jovens e às mulheres. Inclusão, e não apenas consideração”, ressaltou.

Francisco afirmou que os governos precisam reconhecer que as comunidades indígenas são uma parte da população que deve ser valorizada e consultada; ter plena participação, local e nacional.

Lamentavelmente, a mensagem papal tem sido não apenas desconsiderada, mas parece não encontrar resposta digna por parte de agentes públicos e privados quando o assunto é a garantia dos direitos dos povos indígenas no Brasil.

Convite a comunidade:

O que: “Conversas de Justiça e Paz”
Tema: Os povos indígenas no contexto de violação de direitos humanos no Brasil
Data: 07 de agosto, próxima segunda-feira
Local: auditório Dom José Freire Falcão, anexo da Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida, Brasília (DF)
Informações/confirmações de presença: (61) 3223 3512 / 3213 3335

Fonte: CIMI


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários