Combater a dispersão e afirmar a solidariedade de classe

Compartilhe

A reorganização do capitalismo promoveu profundas transformações no chamado “mundo do trabalho”. Não somos mais a classe trabalhadora fordista, concentrada em grandes unidades, com um determinado tipo de rotinas de trabalho que permitia menores dificuldades de organização e luta.

Fragmentados e dispersos e submetidos a diversos tipos de contratação do trabalho (terceirizados, contratados diretamente, informais, PJs, estagiários/as, trabalho “por conta” etc), com dificuldades de estabelecer vínculos e identidades de classe e impactados pelo individualismo que marcam a sociedade do consumo, a luta sindical sofreu baixas, mas permanece estratégica para a defesa dos interesses populares.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Por outro lado, a chegada de um ex-sindicalista à presidência da república e as lomêmicas em torno de como tratar o governo ampliou a divisão do movimento sindical. Temos, ainda, muitas entidades e militantes dispersos, sem uma referência nacional para fortalecer suas lutas cotidianas.

A Intersindical Central da Classe Trabalhadora se coloca o desafio de articular e unificar esses setores dispersos e aqueles/as que discordam da prática política de outras organizações.

O desafio é fazer o caminho inverso ao da dispersão. É necessário unir os mais diversos setores para consolidar uma prática sindical democrática e plural, que tenha independência dos patrões e governos e que não seja correia de transmissão de partidos ou grupos.

O 1º Congresso da Intersindical será um passo decisivo nessa direção. A tarefa coletiva é consolidar uma Central da Classe Trabalhadora que atue decididamente nas lutas cotidianas, articulando sempre com a luta política que permita construir uma realidade justa, igualitária, democrática e socialista. Junte-se a esse processo. Seja você também um agente da construção da unidade e da solidariedade de classe.

Não vamos pagar pela crise!

A saída é a organização por reformas populares!

O Brasil está pautado pela abertura do processo de impeachment da presidente Dilma e pelo Fora Cunha.

A Intersindical não apoia o governo tampouco defende sua política, que julgamos indefensável. No entanto, o impeachment da forma como está formulado neste momento, pode significar um profundo retrocesso ao colocar Michel Temer para impor idade mínima para aposentadoria, acabar com a vinculação da aposentadoria ao salário mínimo, aprovar a terceirização irrestrita, ampliar as privatizações, acabar com a destinação constitucional de verbas para saúde e educação públicas e impor a prevalência do negociado sobre o legislado, acabando com os direitos trabalhistas garantidos na CLT. 

Por outro lado, é fundamental impedir que Cunha prossiga à frente da Câmara ou mesmo com mandato de deputado federal. Suas contas na Suíça, seus crimes de lavagem de dinheiro e chantagens justificam isso. Além disso, Cunha liderou a maior maratona parlamentar para exterminar direitos das/os trabalhadoras/es, das mulheres, da juventude pobre e negra, indígenas.

Que os ricos paguem: imposto sobre grandes fortunas e ganhos de capital!

A crise econômica se aprofunda com as medidas de ajuste fiscal do governo federal e governos estaduais. Enquanto isso, banqueiros e rentistas aumentam seus ganhos.

É a classe trabalhadora, o povo, que sofre com redução do salário e o desmonte de políticas e investimentos sociais. O desemprego cresce de maneira vertiginosa, levando milhões ao desespero e à miséria. Num país em que a imensa maioria vive nas cidades, sem possibilidade de ter alimentação segura, sem direito à moradia, ao transporte coletivo com dignidade e sem políticas públicas vigorosas, uma taxa de desemprego nos dois dígitos será uma tragédia para milhões de trabalhadores, principalmente para o povo negro, as mulheres, a juventude pobre, as LGBTs, imigrantes, indígenas e deficientes.

Uma saída da crise que beneficie a maioria da população brasileira só se dará com muita mobilização popular e enfrentamentos aos interesses do sistema financeiro e agronegócio, em defesa das reformas populares.

Mudança da política econômica com redução drástica dos juros, reforma tributária com taxação das grandes fortunas e dos ganhos de capital, democratização dos meios de comunicação, reforma urbana e agrária, redução da jornada de trabalho, auditoria da dívida pública, fim da terceirização e fortalecimento da seguridade e do papel social do estado.

É preciso somar forças e unificar os movimentos sociais. Só assim será possível romper com a pauta regressiva de direitos e lutar por reformas populares. A constituição da Frente Povo Sem Medo é a mais importante iniciativa nesse sentido e nossa central tem feito todo esforço para apoiar sua constituição.

A hora é de unificar as lutas populares e tomar as ruas, além de ampliar a organização nos locais de trabalho.

Saiba mais:
1º Congresso: Avançar na organização para fortalecer as lutas
Quem pode participar do 1º Congresso?
Inscreva sua entidade aqui

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Edson Índio, na Conferência Nacional dos Bancários
Edson Índio, na Conferência Nacional dos Bancários
Mané Gabeira, na Conferência Nacional dos Bancários
Mané Gabeira, na Conferência Nacional dos Bancários
Rita Lima, na Abertura dos Congressos dos Bancos Públicos
Rita Lima, na Abertura dos Congressos dos Bancos Públicos
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários