Coca-Cola é condenada por não cumprir Cota Legal de PcD

Coca-Cola é condenada por não cumprir Cota Legal de PcD

Coca-Cola é condenada por não cumprir Cota Legal de PcD

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Multa por dano moral coletivo foi fixada em R$ 250 mil pelo TST, confirmando entendimento do TRT-DF

Brasília – O Tribunal Superior do Trabalho (TST) confirmou o entendimento estabelecido no Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT10) e condenou a Recofarma Indústria do Amazonas Ltda. (empresa do grupo The Coca-Cola Company) por não cumprir a cota estabelecida no art. 93 da Lei nº 8213/91.

De acordo com a legislação, empresa que possua mais de 500 empregados e menos de 1.000 deve preencher o percentual mínimo de 4% de seu quadro com pessoas com deficiência (PcD).

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Em 2013, o Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal (MPT-DF), representado pelo procurador Adélio Justino Lucas, constatou realidade diversa. Apesar de estar obrigada a contratar pelo menos 22 PcD, a Recofarma tinha em seu quadro apenas quatro trabalhadores.

Em sua defesa, a empresa alega que não há no mercado PcD qualificado para o cumprimento dos postos vagos e que, apesar de o empenho em cumprir a cota, não é possível a contratação do número mínimo, pois os candidatos não apresentaram os requisitos para o exercício das funções.

Segundo o procurador Adélio Justino Lucas, há contingente de pessoas com deficiência no País, que necessitam ingressar no mercado de trabalho e a alegada falta de qualificação não justifica o descumprimento da cota.

Ele lembra que o objetivo não é apenas garantir o atingimento mínimo estabelecido na Lei, mas também promover a inclusão dessas pessoas no mercado. “A deficiência não é, em si, um fator limitativo em especial no que diz respeito ao trabalho. O que limita é o preconceito. A ideia preconcebida de que a pessoa com deficiência tem um potencial de desenvolvimento menor do que aqueles que não possuem tais características”, complementa o procurador.

Em primeira instância, o juiz do Trabalho Francisco Luciano de Azevedo Frota condenou a empresa a contratar, dentro de seis meses, o percentual mínimo de 4% estabelecido em Lei, sob pena de multa de R$ 1 mil por trabalhador não contratado. Ele também determinou que a saída de um PcD do quadro só pode ser efetuada após se providenciar “a contratação de substituto em condição semelhante”. Ainda, fixou multa de R$ 250 mil, a título de dano moral coletivo.

Para o magistrado, “não houvesse a intervenção estatal para garantir aos portadores de deficiência e/ou reabilitados a inclusão no mercado de trabalho, certamente ainda estaríamos vivendo as agruras de um passado recente no Brasil, em que os homens sem capacidade física plena para o trabalho eram simplesmente descartados, pois não serviam para os fins exploratórios do sistema”.

Ele também critica a defesa da empresa, que alegou que não existem pessoas com deficiência disponíveis e defendeu que a própria Recofarma pode promover a capacitação de tais profissionais. “Inescusável a justificativa trazida pela defesa para a não contratação das pessoas portadoras de deficiência ou reabilitadas. Estando eventualmente o problema na falta de capacidade técnica, a solução está nas mãos da própria empresa”.

A empresa do grupo Coca-Cola Company recorreu e teve seu pedido analisado pela Quarta Turma do TRT10. No entanto, seus argumentos foram refutados pelos desembargadores do segundo grau. Na época do Recurso, a empresa chegou a contratar 12 PcD.

O fato, segundo o desembargador relator Douglas Alencar Rodrigues, comprova que ela poderia, no passado, ter atingido o percentual mínimo definido em lei. O magistrado citou processo seletivo interno para admissão de trabalhadores para o posto de operador de empilhadeira, a fim de exemplificar o porquê da cota legal nunca ser atingida. Em referida seleção, a empresa colocou, em igualdade de condição, candidatos com ou sem deficiência, com a exigência de pelo menos 24 meses de experiência na função.

“É óbvio que a submissão dos PcD a critérios idênticos aos exigidos dos demais trabalhadores não conduzirá à inclusão dessas pessoas. A ré possui condições de, por si só, capacitar portadores de necessidades especiais, não sendo condizente com essas condições o oferecimento de vagas com critérios iguais aos exigidos dos demais trabalhadores”, finaliza.

Mesmo com as novas contratações, a cota não fora satisfeita. A empresa recorreu novamente, dessa vez ao Tribunal Superior do Trabalho (TST). Entretanto, a Primeira Turma do Tribunal manteve o entendimento do que fora estabelecido na 10ª Região.

Processo nº 0000010-80.2013.5.10.0003

Fonte: MPT


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Siga-nos no INSTAGRAM
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários