Frente ampla contra o fascismo

Classe trabalhadora não pode se calar diante do fascismo

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Classe trabalhadora não pode se calar diante do fascismo

É gravíssima a escalada da violência, do fascismo e da degeneração da democracia brasileira, golpeada desde 2016. O infame assassinato de Marielle e os ataques a tiros à caravana de Lula na tarde de ontem, dia 27, entre outros atentados de violência, são demonstrações inequívocas de que os setores democráticos, progressistas e da esquerda precisam conformar uma ampla frente democrática contra o fascismo e o avanço da direita.

É necessário repudiar com veemência a tentativa de intimidação e os atentados contra Lula e sua caravana pelo sul do Brasil. A omissão dos governos da região, do governo federal e do judiciário seletivo e partidarizado é igualmente grave e indicativo dos riscos que se apresentam para o conjunto do povo brasileiro. Situações como essas no passado desembocaram em décadas de Estado de Exceção. As ameaças ao ministro Fachin também se inserem nesse contexto.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Declarações de Geraldo Alckmin e Dória, tentando justificar a infâmia do campo político que essas candidaturas querem ocupar, na disputa de votos com Bolsonaro, e as declarações do ilegítimo e golpista Michel Temer elogiando o golpe de 1964 demonstram a gravidade da escalada reacionária e fascista.

A defesa da democracia, da liberdade de organização e manifestação e a apuração e punição rigorosa dos atos de violência e enfrentamento ao fascismo e ao avanço da direita são questões que precisam soldar a unidade popular.

Concordo plenamente com o que declarou pelo twitter o companheiro Guilherme Boulos, “as agressões contra a caravana de Lula são graves. Temos visões diferentes na esquerda e é legítimo que se expressem em distintas candidaturas. Mas isso não pode nos impedir de sentar na mesma mesa para defender a democracia. O momento exige. Com fascismo não se brinca”, conclui Boulos, liderança do MTST e pré-candidato à presidência da República numa aliança de movimentos sociais com o PSOL.

Nossa solidariedade ao presidente Lula e à sua caravana. As diferenças políticas não podem nos cegar e impedir de enxergar os verdadeiros inimigos da classe trabalhadora e do Brasil: o rentismo, a mídia corporativa e manipuladora, o judiciário partidarizado, a direita e os fascistas chocados no ovo da serpente do golpe de 2016.

Edson Carneiro Índio
Secretário Geral da Intersindical

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários