Trabalhadores paralisam a Baixada Santista contra terceirização

Trabalhadores paralisam a Baixada Santista contra terceirização

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Sindicato dos Bancários de Santos e região

Na região, a participação da Intersindical-Central da Classe Trabalhadora e outras centrais sindicais, sindicatos e movimentos sociais foi maciça

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Mais de 600 trabalhadores de dezenas de categorias paralisaram, nesta sexta-feira (29), das 5h40 às 8h, a circulação de mercadorias e serviços na Baixada Santista, no litoral de São Paulo. Foram interrompidos três pontos de tráfego de veículos: entrada de Santos, divisa entre as cidades de Santos e São Vicente na praia e a rodovia Cônego Domênico Rangoni, no polo industrial de Cubatão, paralisada até às 9h. Depois da interrupção do tráfego, os trabalhadores caminharam juntos ao centro de Santos paralisando o terminal de ônibus e o comércio. Para finalizar fizeram um ato na Pça. Mauá, até às 10h.

As paralisações fizeram parte do calendário das centrais sindicais no “Dia Nacional de Paralisação e Manifestações Rumo à Greve Geral, Contra a Terceirização, as Medidas Provisórias (MPs) 664 e 665, o Ajuste Fiscal e em Defesa dos Direitos e da Democracia”.

Na região, a participação da Intersindical-Central da Classe Trabalhadora e outras centrais sindicais, sindicatos e movimentos sociais foi maciça. Estavam presentes além da Intersindical, a Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), Nova Central Sindical dos Trabalhadores (NCST), União Geral dos Trabalhadores (UGT) e CSP-Conlutas; movimentos sindicais como Unidade Classista e Alternativa Sindical Socialista; sindicatos das categorias dos bancários, químicos, comerciários, rodoviários, frentistas, montagem, servidores públicos municipais, sindminérios, petroleiros, rodoviários, metalúrgicos, urbanitários, saúde, construção civil, professores, aposentados entre outras categorias e movimentos.

Leia também:
Contra a terceirização e ajustes fiscais, trabalhadores travaram a Rodovia Anhanguera

Ricardo Saraiva Big, presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região e Secretário de Relações Internacionais da Intersindical, disse que se a terceirização passar no Senado será o extermínio da classe trabalhadora. Por isso, todos têm a responsabilidade de fazer o possível e o impossível para reunir milhares de trabalhadores rumo à greve geral, que será o próximo passo caso os parlamentares insistam na aprovação do Projeto de Lei 4330, na Câmara; e Projeto de Lei Complementar – PLC 30, no Senado, que regulamentam a terceirização dos trabalhadores em todas as instâncias sejam privados ou públicos.

Os dirigentes da Intersindical e da CUT defendem o total e irrestrito fim da terceirização. “Os profissionais terceirizados devem ser contratados diretamente pelas empresas e terem os mesmos direitos”, diz Big da Intersindical.

002

003

004

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários