Celso Amorim abre o Seminário Internacional da Intersindical

Celso Amorim abre o Seminário Internacional da Intersindical

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A discussão sobre a geopolítica mundial com o ex-ministro das Relações Internacionais, Celso Amorim, abriu os trabalhos do 1º Seminário Internacional da Intersindical nesta quarta-feira (13/03), no hotel San Raphael, em São Paulo.

O diplomata fez questão de destacar que a ofensiva imperialista sobre o Brasil e os países da América Latina começou a ser traçada quando os países em desenvolvimento começaram a se reunir numa articulação global, no sentido de buscar a multipolaridade e a multiculturalidade.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Amorim citou a Unasul, a Celac – onde pela primeira vez história países latino-americanos e caribenhos se reuniram sem a tutela norte-americana ou europeia, o IBAS (Índia, Brasil e África do Sul) e principalmente os Brics (Brasil, Índia, China e Rússia) como os principais incômodos ao imperialismo.

Os Brics ameaçaram porque representam 40% da população mundial, 35% do território do mundo, 25% do PIB mundial. “Lembro bem de duas capas da revista norte-americana “The Economist”, uma trazia a imagem do Cristo Redentor disparando como foguete, falando da ascensão do Brasil, e meses depois outra capa mostrava um mapa da América Latina de cabeça para baixo e título era “Não é mais o quintal de ninguém”. “O petróleo na Venezuela, o pré-sal no Brasil e a aproximação com China e Rússia com os Brics despertou uma articulação mundial”, disse Amorim.

O chanceler fez questão de destacar que a luta interna dos trabalhadores e trabalhadoras pela garantia de direitos e a luta internacional são a mesma luta. E agradeceu o convite da Intersindical para abrir os debates do seminário, admitindo que não é convidado para mesas sindicais, apenas para debates econômicos e diplomáticos.

Luta conjunta

“Enquanto a América Latina não melhorar não vamos conseguir avanços internos em reforma trabalhista, da Previdência, etc. No caso do Brasil o nosso desafio é recuperar o discurso racional em favor de nossas teses, apuração plena do assassinato da Marielle Franco e a questão da liberdade de luta. É isso que permitirá de fato exercer a democracia, arregimentar as forças e lutar pelas ideias”.

Todo o discurso de ódio que permeia a ideia de combate à corrupção e militarização, lembra Amorim, fazem parte da estratégia que o Jose Luiz Fiori descreve bem e que consta na estratégia de segurança nos EUA. “Ninguém vai defender corrupção, mas  sabe –se que esse discurso é estratégia dos EUA, eu diria que vivemos hoje “o império contra-ataca”.

Texto: Tsuli Turbiani


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários