CECIs das aldeias Tenondé Porã e Krukutu entram em greve

CECIs das aldeias Tenondé Porã e Krukutu entram em greve

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Nós, lideranças, educadores e funcionários guarani das aldeias Tenondé Porã e Krukutu, escrevemos essa carta pública para divulgar a decisão que tomamos de paralisar as atividades dos Centros de Educação e Cultura Indígena (CECIs) de nossas aldeias por conta do descaso do poder público e da ONG Opção Brasil com nosso povo.

Estamos em greve por, novamente, há cerca de três meses o pagamento dos funcionários indígenas ter sido interrompido. O problema é recorrente, vem se somando com várias outras irregularidades e até agora não recebemos sequer uma ligação dos responsáveis para discutir a situação.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Nos últimos anos, por diversas vezes, o problema se repete e sempre que acontece os juruá (não indígenas) jogam o problema um para o outro e trazem desculpas burocráticas complicadas que não podemos entender.

No mês passado, junho de 2015, fizemos um pedido formal de reunião, em formato de documento digitalizado, com todos os responsáveis: ONG Opção Brasil, Diretoria Regional de Educação (DRE) Capela do Socorro, DRE Pirituba e as comunidades das terras indígenas. No documento, destacamos a necessidade de entendimento e solução do problema, porém até agora não obtivemos respostas.

Por isso, não nos resta outra opção senão entrar em greve e divulgar amplamente esse problema para exigir uma resposta da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, da DRE Capela do Socorro, da DRE Pirituba e da ONG Opção Brasil, que são as entidades responsáveis pela Educação em nossas aldeias.

Pedimos o apoio de todos para resolver esse problema e garantir que a situação não se repita.

Anunciamos a todos que, se em 15 dias essa situação não for resolvida, vamos comparecer com nossos xondaros e xondarias (guerreiros e guerreiras) na Secretaria de Educação Municipal para fazer uma manifestação direta para que o Secretário nos receba e tome uma medida imediata.

Aguyjevete pra quem luta!

Fonte: CGY (Comissão Guarani Yvyrupa)

Leia também:
PEC 71: na fronteira entre o bem e o mal das demarcações pendentes de Terras Indígenas
Povo Terena retoma três fazendas da Terra Indígena Taunay/Ipegue (MS)

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários