Campanha de solidariedade aos presos políticos do MST recebe manifestações do Brasil e exterior

Campanha de solidariedade aos presos políticos do MST recebe manifestações do Brasil e exterior

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Conjunto diverso de organizações denuncia as ações de perseguição e criminalização do Movimento.

Organizações de diversos campos de atuação, do Brasil e do exterior, manifestam solidariedade ao processo de criminalização sofrido pelo MST e manifestam repudio à ação da classe dominante conservadora em impedir, por ação judicial e uso progressivo de repressão, a luta empenhada pelo Movimento pela transformação e justiça social.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Em nota emitida no dia 03 de junho,  a Via Campesina  Sudamérica aponta a relação existente entre o levante conservador substanciado pelo golpe parlamentar com o processo de destituição da presidenta Dilma Roussef e o avanço da repressão ao MST: “Neste cenário de perseguição, denunciamos a prisão do militante Valdir Misnerovicz e Luis Batista Borges, encarcerados pelas forças policiais dos estados de Goiás e Rio Grande do Sul. São Acusações infundadas que buscam criminalizar a luta legítima dos trabalhadores Sem Terra” (livre tradução).

Cerca de 81 grupos de pesquisa ligados a universidades brasileiras de todo território nacional compartilham da mesma análise e manifestaram, em nota do dia 06 de junho, especial solidariedade aos dois presos políticos do Movimento em Goiás: “Estas ações demonstram uma escalada da violência perpetrada pelas forças do Estado para a manutenção do estado golpista, que reprime organizações sociais pacíficas, tentando caracterizá-las como criminosas (…) Nos solidarizamos com Valdir Misnerovicz, Luiz Batista e todos os companheiros e companheiras Sem Terra na justa luta popular pela Reforma Agrária, contra o latifúndio e o agronegócio e em favor da soberania alimentar e emancipação dos povos. Exigimos a libertação imediata dos companheiros e rechaçamos qualquer criminalização dos movimentos populares”.

Participantes da sustentação oral da defesa de Luiz e Valdir, a professora da UnB Beatriz Vargas e o ex-presidente da OAB nacional Marcelo Lavenère também denunciam a ofensiva na criminalização do MST. Confira abaixo o vídeo produzido pelo Coletivo de Cinema em Ceilândia (Ceicine) com os advogados do caso e a íntegra das notas de solidariedade:

Nota da Via Campesina:
Quito, 3 de Junio de 2016.
Las organizaciones campesinas de la región Sudamérica articuladas internacionalmente en la Cloc- Vía Campesina, reunidas en Quito, Ecuador del 31 de mayo al 3 de Junio de 2016, repudian vehementemente las sistemáticas acciones de persecución y criminalización de las organizaciones sociales en Brasil. Los campesinos están siendo encarcelados y los pueblos indígenas masacrados.

Sabemos que esos acontecimientos hacen parte del contexto actual, de  golpe y de retrocesos de derechos, de una ofensiva de los sectores de  la clase dominante  conservadora de Brasil, que buscan delimitar el derecho legítimo de protestar; encasillando a todos los militantes sociales y sus organizaciones como criminales. ¿Todo en nombre de qué? De la  defensa intolerante de la  propiedad privada de la tierra y de todos los bienes de la naturaleza.

En este escenario de persecución, denunciamos la prisión del militante Valdir Misnerovicz y Luis Batista Borges encarcelados por las fuerzas policiales de los estados de Goiás y Rio Grande del Sur, son acusaciones infundadas que buscan criminalizar la lucha legitima de los Trabajadores Rurales Sin Tierra.

Nosotros de las organizaciones campesinas de la Cloc- Vía Campesina Sudamérica nos solidarizamos con los compañeros y con el Movimiento Sin Tierra. Nos comprometemos a seguir denunciando esas y otras arbitrariedades contra las luchadoras y luchadores del pueblo, y afirmamos nuestro compromiso de seguir organizando el campo y la clase trabajadora en general, luchando para poner fin a toda la forma de opresión que impiden que seamos efectivamente libres y felices.

¡Viva la unidad de la clase trabajadora!
¡Libertad para nuestros presos políticos!
¡Globalicemos la lucha, globalicemos la esperanza!

NOTA DE 81 GRUPOS DE PESQUISA CONTRA A CRIMINALIZAÇÃO DO MST E A PRISÃO DE MILITANTES EM GOIÁS

Os membros dos grupos de pesquisa abaixo listados denunciam o processo de criminalização dos movimentos sociais, concretizado na  prisão abusiva de José Valdir Misnerovicz, militante da reforma agrária e professor mestre em Geografia enquanto ministrava aulas no dia 31 de maio de 2016, na cidade de Veranópolis/RS. Acusamos ainda a arbitrariedade da prisão do agricultor Sem Terra Luiz Batista Borges, recluso desde o dia 14 de abril de 2016. Estas ações demonstram uma escalada da violência perpetrada pelas forças do Estado para a manutenção do estado golpista, que reprime organizações sociais pacíficas, tentando caracterizá-las como criminosas.

O golpe que estamos vivendo em 2016 no Brasil foi preparado ao longo dos últimos anos buscando criar um consenso que, estimulando um suposto combate à corrupção, visa inviabilizar as forças populares como agentes de pressão sobre o Estado e sua tradicional forma de manutenção da desigualdade social. Contudo, a insatisfação crescente nas ruas frente à escalada conservadora inviabilizou a criação de tal consenso, de modo que as ações golpistas, para tentar se manter no poder, passam a fazer constante uso da repressão aos movimentos sociais organizados.

No estado de Goiás, em especial, a ofensiva das forças de direita é cada vez maior, marcada pela ação repressiva do Estado, com uso acentuado da violência policial, contra as diversas reivindicações sociais como: a luta dos estudantes de escolas públicas que buscam justamente acabar com a militarização da educação no estado; a tentativa, por parte do Ministério Público de proibir manifestações sobre o impeachment nas universidades e institutos federais no estado; a associação entre a bancada ruralista e o judiciário para o ataque repressivo ao MST, que tem como resultado a perseguição e a prisão de militantes. Ou seja, Goiás é um espaço em que está se testando a eficácia da repressão sobre os movimentos sociais para garantir a lei e a ordem golpista.

Repudiamos as forças golpistas e sua escalada da violência; nos solidarizamos com Valdir Misnerovicz, Luiz Batista e todos os companheiros e companheiras Sem Terra na justa luta popular pela reforma agrária, contra o latifúndio e o agronegócio e em favor da soberania alimentar e emancipação dos povos. Exigimos a libertação imediata dos companheiros e rechaçamos qualquer criminalização dos movimentos populares.

06 de junho de 2016.

Assinam os grupos e núcleos de pesquisa:
1.      Grupo de pesquisa Modos de Produção e Antagonismos Sociais (MPAS) – UnB
2.      Núcleo de Estudos de Teoria Social e América Latina (NETSAL) – UERJ
3.      Grupo de Estudos de Pesquisa Sobre América Latina Contemporânea (GEPALC) – UFPB-UFRN-UFS
4.      Grupo de Pesquisa Educação do Campo e Desenvolvimento Territorial – UFRB
5.      Núcleo de Estudos sobre as Transformações do Mundo do Trabalho (TMT) – UFSC
6.      Grupo de pesquisa Estado, Sociedade, Trabalho e Educação (GPESTE) – Unioeste/Foz do Iguaçu
7.      Grupo de pesquisa Educação do Campo: trabalho, contra-hegemonia e emancipação humana – UNEB
8.      Grupo de estudos, Pesquisas e Extensão em Geografia Agrária (GeoAgraria) – UERJ
9.      Grupo de pesquisa Diversidade e direitos humanos na educação do campo no sudeste do Pará: saberes tradicionais, gênero e agroecologia – IFPA-CRMB
10.    Grupo de extensão e pesquisa Agroindústria em assentamentos da reforma agrária no Nordeste – UFS
11.    Grupo de Gestão em Políticas Públicas – UFBA
12.    Coletivo Terra em Cena: produção teatral e audiovisual na educação do campo – UnB
13.    Núcleo de Pesquisas em Comunicação Popular e Comunitária (NCP) – UEL
14.    Assessoria Jurídica Universitária Popular (Lutas) – UEL
15.    Grupo de Pesquisa em organização e representação do conhecimento e da informação de recursos imagéticos (Oricri) – UEL
16.    Grupo de Estudos de Política da América Latina (Gepal) – UEL
17.    Grupo de Pesquisa Crítica aos Espetáculos de Rua (Amorada) – IA/Unesp
18.    Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas, Públicas, História, Educação das Relações  Raciais  e Gênero (GEPPHERG) – FE/UnB
19.    BICAS – Iniciativa BRICS de Estudos sobre Transformações Agrárias – UNB e UFRGS
20.    Núcleo de Estudos, Pesquisas e Projetos de Reforma Agrária (NERA) – UNESP
21.    Literatura e Modernidade Periférica – IL/UnB
22.    Grupo de Estudos sobre o Agro Contemporâneo (GEAC) – UFRRJ
23.    Grupo de Pesquisa Dramaturgia e Crítica Teatral – IL/UnB
24.    Collectif de Solidarité France Brésil
25.    France Amérique Latine (FAL)
26.    Grupo de estudos da História Social do Campo (GEHSC) – Unifesp (Guarulhos)
27.    Grupo de Pesquisa História, Memória e Patrimônio do Trabalho (HMPT) – Unifesp (Guarulhos)
28.    Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa para a Infância e Adolescência Contemporâneas (NIPIAC) – UFRJ
29.    Núcleo de Estudos e pesquisas sobre Gênero, Idade e Família (NEGIF) – UFC
30.    Questão Social, Território e Serviço Social – UFJF
31.    Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Jovens e Adultos (GEPEJA) – Unicamp
32.    Observatório Fundiário Goiano (OFUNGO) – UFG
33.    Grupo de Estudos e Pesquisas sobre o Trabalho (GEPT) – UnB
34.    Movimento Sociais, Educação e Diversidade na América Latina – UFPE
35.    Observatório dos Movimentos Sociais na América Latina – UFPE
36.    Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação do Campo (EduCampo) – UFMG
37.    Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Popular e Educação de Jovens e Adultos – UEL
38.    Centro Transdisciplinar de Educação do Campo – UnB
39.    Epistemologias Indígenas Contemporâneas – UnB
40.    Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Trabalho, Sociabilidade e Serviço Social (TRASSO) – UnB
41.    Initiatives in Critical Agrarian Studies (ICAS) – Erasmus University/Holanda
42.    Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Culturas Juvenis (GEPECJU) – UVA
43.    Grupo de Estudos e Pesquisa em Materialismo Histórico-Dialético e Educação (CONSCIÊNCIA) – UnB
44.    Núcleo de Estudos Agrários e Territoriais (NEAT) – UFU
45.    Grupo de Pesquisa Núcleo de Cartografia do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) – UFPA
46.    Grupo de Estudos de Políticas Econômicas e Sociais (GEPES)- UFMA
47.    Grupo de Estudos, Pesquisa e Debates em Serviço Social e Movimento Social (GSERMS) – UFMA
48.    Grupo de Pesquisa Práticas Teatrais para o Desenvolvimento de Comunidades – UDESC
49.    Núcleo de Estudos Agrários (NEAGRI) – UnB
50.    Centro de Pesquisas e Estudos Agrários e Ambientais (CPEA) – UNESP/Campus de Marília
51.    Grupo de Pesquisa A “desutilidade” da poesia – UFC
52.    Grupo de pesquisa Crítica Literária Materialista – UEM
53.    Núcleo de estudos de história, literatura e sociedade (NEHLS) – UFSC
54.    Projetos Integrados de Pesquisas sobre Trabalho, História, Educação e Saúde (Grupo THESE) – UFF-UERJ-EPSJV-Fiocruz
55.    Desenvolvimento geográfico desigual do capitalismo: o campo e a cidade em movimento – USP
56.    Laboratório de Movimentos Sociais e Mídia – IUPERJ
57.    Grupo de Pesquisa Cultura e Política do Mundo do Trabalho – UNESP
58.    Grupo de Estudos de Política, Lutas Sociais e Ideologias (GEPOLIS) – UFMA
59.    Observatório Políticas Públicas e Lutas Sociais – UFMA
60.    Núcleo de Estudos da Questão Agrária Brasileira (NEQAB) – UEMA
61.    Núcleo de Estudos sobre Memória e Conflitos Territoriais (COMTER) – UFC
62.    Núcleo São Paulo da Associação Brasileira de Psicologia Social
63.    Grupo de Estudos e Pesquisa em Lazer e Ludicidade (Moçarai) – UFPA
64.    Núcleo de Extensão em Desenvolvimento Territorial: Agroecologia, Gênero e Participação Política no Campo Sergipano – UFS
65.    Grupo de Estudos e Pesquisas História, Sociedade e Educação no Brasil (HISTEDBR) – Unicamp
66.    Movimentos sociais, diversidade e educação do campo – DCIE/UESC-BA
67.    Grupo de Teatro do Oprimido de Montevideo (GTO-Montevideo) – Uruguai
68.    Trabalho, Movimentos Sociais e Educação (TRAMSE) – UFRGS
69.    Núcleo de Estudos de Ideologias e Lutas Sociais (NEILS) – PUC-SP
70.    Cultura escolar, práticas pedagógicas e formação de professores – Unipampa
71.    Centro de Estudos em Desigualdade e Discriminação (CEDD) – UnB
72.    Educação do Campo e organização do trabalho pedagógico – Unemat
73.    Grupo História e Literatura Antonio Candido – UFC
74.    Grupo de Pesquisas Trabalhadores Livres e Escravos: Diferenças e Identidades – UFC
75.    Grupo de Pesquisas  Seca, Cultura e Movimentos Sociais – UFC
76.    Grupo de pesquisa Geografia Agrária – USP
77.    Grupo de pesquisa Linguagens e Representação – Udesc
78.    Grupo de Pesquisa em História e Teoria da Profissão Docente e do Educador Social (Gruphis) – Uninove
79.    Grupo de Pesquisa de Geografia das Lutas no Campo e na Cidade (GEOLUTAS) – Unioeste
80.    Grupo de Pesquisa Meio Ambiente: sociedades tradicionais e sociedade hegemônica – PUC/PR
81.    Laboratório de Investigação Teatro e Sociedade (LITS) – USP

Fonte: Página do MST / Lizely Borges

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários