Câmara Municipal de Porto Alegre tenta amordaçar reitor e vice da UFGRS por permitir ato contra o golpe

Câmara Municipal de Porto Alegre tenta amordaçar reitor e vice da UFGRS por permitir ato contra o golpe

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Parte dos vereadores da Câmara Municipal de Porto Alegre aprovou, na última quarta-feira (20/4), Moção de Repúdio ao Reitor e Vice da UFRGS por ter “promovido” Ato em Defesa da Democracia e Legalidade, organizado pelas Frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular, com o apoio da ASSUFRGS, e de outras entidades representativas da comunidade acadêmica. Por causa da diferença de apenas um voto em favor da moção, uma nova votação deve ocorrer nesta semana.

O autor da proposta de moção é o vereador Valter Nagelstein (PMDB), que na sua fala atacou os servidores que atuam no movimento sindical, chamando-os de “vagabundos”. Com ele, votaram mais 13 deputados. Também foi alvo da moção de repúdio o professor Domingos Savio Dresch da Silveira, da Faculdade de Direito, porque ele não permitiu que uma aluna pendurasse, em um prédio público, uma faixa exigindo a renúncia da Presidenta da República.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Além de ignorar a autonomia universitária, direito garantido pelo art. 207 da Constituição Federal, esses vereadores querem impedir que a universidade cumpra o seu papel de promover a discussão política de questões importantes para o futuro do nosso país.

O fato demonstra o avanço do pensamento conservador e autoritário que está em escalada no país, e que agora utiliza a instituição legislativa como polícia ideológica, demonstrando seu total repúdio à democracia.

“Nós da ASSUFRGS é que repudiamos a decisão vergonhosa da Câmara de Vereadores. Saudamos à todas vereadoras e todos vereadores que se colocaram a favor do espírito democrático dentro da Câmara de Vereadores e na sociedade e, com toda certeza, seguiremos na luta, em defesa da democracia e da universidade popular, crítica e criadora!

Enquanto nós lutamos para que a UFRGS e demais instituições de ensino se tornem críticas, democráticas, criadoras e populares, os segmentos representados por esses vereadores querem que a Universidade seja o ambiente exclusivo das elites, com o ensino, a pesquisa e a extensão destinados ao pensamento conservador e a serviço do capital”, declarou a ASSUFRGS em nota.

O Ato em Defesa da Democracia e Legalidade foi realizado no último dia 30 de março, no Salão de Atos da UFRGS, e contou com diversas personalidades e figuras públicas, num ato legítimo e justo diante da conjuntura do nosso país.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários