Câmara aprova primeira etapa do golpe na Previdência Social

Câmara aprova primeira etapa do golpe na Previdência Social

Câmara aprova primeira etapa do golpe na Previdência Social

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:
→ Vídeo: Desmascarando a Farsa do Rombo da Previdência


Na calada madrugada, após sessão tensa e tumultuada sessão de quase 12 horas, os deputados aprovaram a constitucionalidade da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287. O texto segue agora para análise de comissão especial, a ser instalada somente em fevereiro. A votação foi concluída às 2h53, com 31 votos a favor e 20 contra.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

“A madrugada é péssima conselheira e inimiga da transparência do Parlamento”, definiu o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ).

A PEC 287 exclui milhões de trabalhadores e trabalhadoras da Previdência e Assistência Social. Unifica regras para os que trabalham no campo e na cidade, iguala a jornada de homens e mulheres. Prevê idade mínima de 65 anos e ao menos 25 anos de contribuição para que uma pessoa possa se aposentar.

“No Maranhão, a expectativa de vida é bem próxima dos 65 anos. Além disso, 80% dos aposentados ganham até um salário mínimo e são trabalhadores pobres, não é justo que se peça a eles que estendam suas contribuições”, disse o deputado Ivan Valente (PSOL-SP).

“A proposta retira direitos dos trabalhadores. É um absurdo o que este governo está propondo. É preciso que se resolva isso de outra forma, especialmente cobrando os recursos que foram desviados da conta da Previdência”, argumentou o deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), criticando o argumento do governo de que a Previdência é deficitária.

Os trabalhadores de ao menos 50 anos de idade terão de obedecer integralmente às novas regras. Os contribuintes que estão acima dessas idades e ainda não alcançaram o direito de se aposentar passarão a fazer parte de uma faixa de transição. De acordo com a proposta, esses contribuintes terão de pagar um “pedágio” de 50% a mais no tempo que ainda faltaria para atingir a idade mínima de aposentadoria, tendo como base a regra antiga.

Acordo entre oposição e base aliada

Governo e oposição chegaram a um acordo segundo o qual os partidos contrários à admissibilidade da proposta interromperam a obstrução dos trabalhos. Em troca, o governo se comprometeu, caso o parecer fosse aprovado, a criar e instalar a comissão especial da PEC somente em 2017. A comissão terá o prazo de 40 sessões para apresentar o resultado de seus trabalhos.

O intuito é que a instalação da comissão ocorra após a escolha do novo presidente da Câmara e dos novos líderes partidários, marcada para 1º de fevereiro, evitando assim que Maia use a instalação da comissão para fortalecer para disputar a reeleição.

Ontem, em São Paulo, representantes das centrais sindicais, entre elas, da Intersindical Central da Classe Trabalhadora, se reuniram no Dieese para discutir os pontos da reforma da Previdência e traçar uma ação de resistência.

Desmascarando a Farsa do Rombo da Previdência

Este vídeo muito didático explica as mentiras que Temer não conta sobre a PEC da Reforma da Previdência. Assista e compartilhe:

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários