Câmara amordaça partidos minoritários e mantém financiamento empresarial de campanha

Câmara amordaça partidos minoritários e mantém financiamento empresarial de campanha

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Reforma política aprovada na noite de quarta-feira tenta calar as vozes da esquerda

A Câmara dos Deputados derrubou na noite de ontem (09/9), a decisão do Senado e aprovou o financiamento empresarial de campanha para partidos políticos. A medida será agora submetida à sanção da presidente Dilma Rousseff que tem 15 dias para decidir se veta ou não o texto.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O texto também exclui partidos minoritários dos debates televisivos, ao estabelecer que as emissoras só sejam obrigadas a convidar para os debates aqueles cujo partido tem nove ou mais deputados no Congresso Nacional.

Luiz Araújo, presidente do PSOL, lembra que nos dez anos de existência do partido foi a presença institucional, a participação marcante de suas candidaturas presidenciais, o espaço alcançado pelos candidatos em disputas estaduais e municipais que deu visibilidade as propostas do partido.

“A contragosto das grandes emissoras e das elites, os nossos candidatos trataram de temas proibidos, defenderam bandeiras que somente o PSOL continua tendo coragem para erguer. E é isso que a “reforma política” quer impedir que cresça e se consolide”, afirmou Araújo.

Outro destaque aprovado diz respeito à distribuição do tempo de propaganda eleitoral nas eleições majoritárias em coligações. A divisão do tempo será restrita às seis maiores bancadas da coligação e não a todos os partidos que fazem parte dela.

Essa reforma política, segundo ele, “representa uma restrição democrática sem precedente, que visa estreitar a possibilidade de renovação na política brasileira, na medida em que exclui os menores partidos do debate público eleitoral”. O texto aprovado prejudica, além do PSOL, organizações como PCB, PCO e PSTU

O grande capital no controle do Congresso

As novas mudanças também preveem que o poder econômico continue financiando campanhas e corrompa a representação política ao estabelecer que as empresas poderão “doar” (ou melhor, investir) até R$ 20 milhões como teto.

Além disso, a Câmara também modificou o limite de gastos das campanhas eleitorais. Na primeira versão do texto, o teto de gasto para campanhas era equivalente a 70% do valor da disputa mais cara (em cada cargo) registrado nas eleições anteriores. Agora, esse percentual ficará em 65%.

O texto também libera o “troca-troca” partidário. Os deputados incluíram no PL 5735 destaque do PSB que abre a possibilidade de desfiliação, sem perda de mandato, em uma janela de 30 dias antes do fim do prazo de filiação exigido para as candidaturas.

A Câmara também derrubou outras alterações que haviam sido feitas pelo Senado como a proibição da contratação de cabos eleitorais e do uso de carros de som nas eleições.

Leia também: Cunha diz que Câmara vai restabelecer doação de empresas a partidos

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários