Caixa começa a aplicar jornada flexível para não pagar hora extra

Caixa começa a aplicar jornada flexível para não pagar hora extra

Caixa começa a aplicar jornada flexível para não pagar hora extra

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O Sindicato dos Bancários do Espírito Santo alerta que medida é ilegal e orienta bancários a não assinarem o ponto cujo registro for feito como flexível.

Descumprindo o Acordo Coletivo de Trabalho, a Caixa começou a implementar nas agências e departamentos a jornada flexível para todos os empregados, se recusando a fazer o pagamento das horas extras. A prática foi verificada no fechamento dos contracheques de setembro em várias agências do Espírito Santo. O Sindicato alerta que medida é ilegal e orienta bancários a não assinarem o ponto cujo registro for feito como flexível.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

A entidade vai colher as informações necessárias para entrar com ação na justiça e cobrar o cumprimento da jornada de trabalho, bem como o pagamento devido das horas extraordinárias.

O banco começou a fazer em agosto a alteração do tipo de jornada dos empregados no Sistema de Ponto Eletrônico (Sipon), substituindo a jornada rígida pela flexível, mas ainda sem aplicar a mudança. Com a alteração, bancários que tiverem a jornada extrapolada, ao invés de terem a opção de receber o pagamento em dinheiro, terão as horas extras necessariamente compensadas.

O que diz o ACT  (cláusula 9ª)

O Acordo Coletivo da Caixa determina o pagamento de 50% das horas extras e a compensação do restante, no mês subsequente ao da prestação das horas extraordinárias. Se não for compensado, o saldo de horas deve ser pago dentro do prazo previsto para a compensação. Para agências com até 20 empregados, é obrigatório o pagamento de 100% das horas extras, inclusive para tesoureiros.

Outras consequências

Lizandre Borges, diretora do Sindibancários/ES, lembra que a flexibilização da jornada traz outras implicações, como a supressão da necessidade de novas contratações; adoecimento dos trabalhadores em função da jornada excessiva, além da obrigatoriedade de o empregado estar à disposição da empresa integralmente.

“Uma vez com a jornada flexível, o banco pode remanejar o início e o fim da jornada do empregado conforme seu interesse, deixando o funcionário praticamente à disposição da empresa. É inaceitável”, critica a diretora.

Jornada rígida X flexível

De acordo com a cláusula 23 do Acordo Coletivo de Trabalho 2016/2018, a jornada de trabalho na Caixa é de 6 horas diárias, contínuas, de segunda a sexta-feira, totalizando 30 horas semanais. As horas trabalhadas para além dessa determinação são registradas no Sipon, onde o trabalhador garante o registro das horas extraordinárias, cujos dados funcionais serão disponibilizados aos empregados.

A jornada rígida é o tipo de jornada cadastrada no Sipon automaticamente. Deve ser utilizada nas situações em que a atividade desempenhada requer que o empregado tenha um horário fixo a cumprir. Ao contrário disso, a jornada flexível, com apuração diária e semanal, deve ser utilizada nas situações em que a atividade desempenhada não requer início da jornada com horário rígido ou em regime de escala de revezamento. Pelas normas, a jornada flexível é aplicada apenas a gerentes gerais e superintendentes, que têm jornada livre e são liberados de registrar o ponto.

Fonte: Sindicato dos Bancários do Espírito Santo


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários