Breve balanço dos 113 dias de greve dos professores Estado do Rio

Breve balanço dos 113 dias de greve dos professores Estado do Rio

Breve balanço dos 113 dias de greve dos professores Estado do Rio

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

113 dias de greve

A greve dos professores do Estado do Rio de Janeiro já completa 113 dias, com adesão maciça da categoria, além de 60 escolas ocupadas por estudantes e a junção da rede de escolas técnicas na luta.

Em uma nova tentativa de intimidação contra o movimento, a Justiça revogou na terça-feira (14) a liminar que impedia o corte do ponto dos grevistas e determinou que a partir de agora os dias parados serão descontados do holerite dos professores.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A legalidade da greve ainda não foi julgada. A direção do Sepe-Rio já avisou que entrará com recurso.

“A calamidade do sistema público do Rio faz com que todos os nossos dissídios salariais sejam decididos no Tribunal de Justiça. Esse é o cenário jurídico e político”, explica Gustavo Miranda, diretor do Sepe-Rio e da Intersindical Central da Classe Trabalhadora.

Vitória do movimento grevista

Segundo ele, é a força do movimento grevista, especialmente no interior e na Baixada Fluminense, que tem levado o governo do Rio a ainda honrar com os salários dos professores, considerando que outras categorias têm sofrido com o parcelamento. E que permitiu a volta das eleições para diretor nas escolas, o que havia sido suspenso desde o governo Garotinho, na década de 90.

Outra vitória dos 113 dias de greve foi a grade de horários para sociologia e filosofia, que em vez de um tempo ganhou dois tempos e permitiu um rearranjo melhor no deslocamento dos professores destas matérias.

Se antes os professores de sociologia e filosofias se dividiam em até cinco escolas por mês para dar aulas, agora ficarão em duas.

A categoria realiza nova assembleia nesta quinta-feira (16) na quadra da Escola de Samba São Clemente, na Avenida Presidente Vargas, região central do Rio, para avaliar os rumos do movimento.


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários