ABSURDO: Bradesco retira café da manhã dos funcionários e segue aumentando o desemprego

ABSURDO: Bradesco retira café da manhã dos funcionários e segue aumentando o desemprego

bradesco retira café da manhã

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O relato que segue abaixo é de um ex-funcionário do banco Bradesco, indignado com o corte do café da manhã que o banco sempre serviu nas agências e nos departamentos.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

Ele fez uma rápida pesquisa com trabalhadores de duas agências, identificando o lucro que o banco está almejando potencializar ao cortar um simples café da manhã que é servido aos funcionários.

Simples, claro, para o banco. Para os trabalhadores, este é um complemento que faz muita diferença em suas jornadas de trabalho.

Para além do corte no café da manhã, o banco também está cortando o serviço de quem atuava para servi-lo. Trabalhadores terceirizados que atuavam nesta área do banco serão demitidos em função do corte dos cafés.

É importante ressaltar que, apesar de o Bradesco estar fazendo este ajuste para potencializar seu lucro, mesmo com a pandemia ele está apresentando um bom desempenho para os investidores. Uma reportagem da InfoMoney desta quinta feira (30) relata que os resultados do banco foram bastante positivos, frente a outros bancos.

Além disso, a política de demissões do banco segue “de vento em polpa”. Nos últimos 12 meses o Bradesco acabou com 2.411 postos de trabalho e fechou 414 agências. Apenas entre abril e junho deste ano, quando já estávamos no período de pandemia, 447 postos e 223 agências foram fechados.

Leia abaixo o relato do funcionário:

Bradesco Cruel (e sem lanche)

Fiz uma breve pesquisa e levantei que 56 trabalhadores de apenas 2 agências aqui de SP, consumiam, antes da pandemia, igual número de lanches pela manhã. Entre eles, os vigilantes e o pessoal da limpeza que, como sabemos, são vulnerabilizados por baixíssimos salários. Muitos deles, inclusive, não-raro, levam para casa os lanches eventualmente não consumidos.

Acho que nem é preciso especular muito sobre o significado, para esse pessoal, do corte desses lanches que o Bradesco fará a partir de 1° de agosto. Até porque, o foco aqui será outro.

Desse modo, digamos que, desses 56 trabalhadores, 40 sejam do efetivo do banco e que, em média, levem 15 minutos para tomar o lanche matinal..

Concluíremos que esse corte, para além da economia mensal em torno de R$4.300 (devemos incluir o leite, o achocolatado, o café, o açúcar e o adoçante), o Bradesco abocanhará 10 horas de trabalho por dia útil ou 220 horas/mês, só nessas 2 agências, o que equivale a praticamente um mês de trabalho de um funcionário de 8 horas.

Isso, porque os funcionários do banco registram o ponto antes do breakfast.

Neste sentido, depois do dia 1°, o tempo de lanche virará tempo de exploração do trabalho e, portanto, de geração de lucro e de estresse.

Notem:

O Bradesco não só ganhará avançando gananciosamente sobre os lanches dos trabalhadores: lucrará com essa exploração adicional do trabalho, e, perigosamente , se apropriará de todo o tempo que esses trabalhadores tinham para o “café” da manhã.

É o Tempo-Lanche, digamos assim, se transformando em Tempo-Trabalho.

É preciso lembrar que esse Tempo-Lanche, era também, Tempo-Descontração, Tempo de se preparar para labuta e, sobretudo, Tempo de acolhimento.

O perigo da apropriação, desse tempo, reside no fato que se não aumentar a produtividade do bancário, esse tempo-trabalho, necessariamente, se transmutará em “tempo-ocioso”. Ou seja, se, mesmo aumentando seu tempo de trabalho, o trabalhador entregar o mesmo resultado médio que já entregava, significará uma queda na produtividade do trabalho e veremos um imenso espaço para o Bradesco cortar na carne: Demitir até onde der.

Tentem imaginar, também, quanto esses 15 minutos médios, resultariam de tempo-trabalho, se multiplicado não por 40 trabalhadores, como o caso concreto que analisei, mas por todos os funcionários do banco. Certamente, resultaria num número colossal!!!

Outra coisa, imaginem uma hipótética demanda de 80 mil lanches/dia, desaparecendo como num passe de mágica. Multiplique-se isso por 22 dias úteis e chegaremos a impactantes 1.760.000 lanches todo santo mês.

É claro que tamanha queda na demanda, também gerará desempregos indiretos.

Um exemplo, é a empresa Sapore que produz e serve lanches nos prédios da Matriz.

Uma boa parte dos trabalhadores desta empresa estão, neste exato momento, sob aviso prévio. Ou seja, a partir de sexta-feira (31/07) estarão no olho da rua, piorando as estatísticas de desemprego e, sobretudo, aumentando o sufoco e o sofrimento de suas famílias.

No final de abril, nesse contexto de pandemia, o Bradesco iniciou uma campanha cuja a primeira fase foi dirigida a “empreendedores”, com o mote “Aguente Firme. Vai Passar.”

Agora, a referida campanha publicitária pretende ampliar o seu publico, como sugere Nathalía Garcia, superintendente executiva de Markrting do banco: “Esta campanha reafirma que o Bradesco está ao lado dos brasileiros em todos os momentos e, mais do que isso, mostra como esse apoio se concretiza na prática”.

Silêncio, porque, com uma conversa dessas, o boi já foi dormir

Chega a ser cruel…

Dorme boi, porque estamos com um problemaço nas mãos.

Mauro Dias – 29/07/2020
Ex-funcionário

bradesco café da manhã 1

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail em nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários