Bancários paralisam 90% das agências em Santos e Cubatão

Bancários paralisam 90% das agências em Santos e Cubatão

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Neste primeiro dia de greve (6/10), os bancários paralisaram 90% das agências de Santos e Cubatão; 70% em São Vicente, Guarujá e Praia Grande. Em Mongaguá, Itanhaém, Peruíbe e Bertioga foram 50%. Do total de 3.995 da categoria ativa na Baixada Santista, 3.135 cruzaram os braços. A proposta da Fenaban de 5,5% de reajuste (rejeitada pelos bancários) é quase metade da inflação acumulada de 9,88%

 A greve é nacional e por tempo indeterminado. O comando nacional dos bancários rejeitou a proposta dos bancos de 5,5% de reajuste. “Isto é um desrespeito aos trabalhadores que lucraram 36,3 bilhões de reais para os cofres dos banqueiros, com trabalho árduo. É o pior índice proposto desde 2004”, indigna-se Eneida Koury, Secretária Geral do Sindicato dos Bancários de Santos e Região.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

 A proposta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) é quase metade da inflação acumulada de 9,88%, registrada no período de 1º de setembro de 2014 até 31 de agosto de 2015, pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), índice adotado como parâmetro para o dissídio coletivo da categoria.

 “Embora os banqueiros falem em crise, eles obtiveram lucro líquido de R$ 36,3 bilhões, no 1º semestre deste ano. Esse resultado – alcançado por BB, Caixa, Itaú, Bradesco e Santander – é 27,4% maior que o obtido no mesmo período de 2014”, esclarece Eneida.

Negociações

Após cinco rodadas de negociação, a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) ofereceu 5,5% de reajuste aos bancários sobre os salários, a PLR e demais verbas de caráter salarial, mais abono de R$ 2,5 mil. A proposta foi rejeitada na mesa de negociação, pelo Comando Nacional dos Bancários.

Abono engana o trabalhador

 “Abono significa perder mais de 4% do salário. É pago somente uma vez e ainda com descontos do imposto de renda e do INSS, o que significa que será creditado cerca de 1.800 reais para o bancário, com salário médio de 4 mil reais. Além de não incorporar no FGTS, na aposentadoria e no 13º salário. É uma chantagem, enganação que corrói os salários dos bancários. Por outro lado, os banqueiros cobram mais de 400% da população que precisa utilizar cartão de crédito. A categoria reivindica 16% de aumento salarial e maior distribuição dos lucros”, diz Ricardo Saraiva Big, Presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região.

Principais reivindicações da Campanha Salarial 2015

Remuneração

Reajuste salarial de 16% (incluindo reposição da inflação mais 5,7% de perdas salariais); PLR: Três salários mais R$7.246,82 ; Piso do Dieese: R$3.299,66 (junho/2015); vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$788,00 ao mês para cada (salário mínimo nacional) e melhores condições de trabalho com o fim das metas e o assédio moral.

Emprego

Fim das demissões, mais contratações, fim da rotatividade e combate as terceirizações diante dos riscos de aprovação do PLC 30/15 no Senado Federal, além da ratificação da Convenção 158 da OIT, que coíbe dispensas imotivadas; plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) para todos os bancários; auxílio-educação: pagamento para graduação e pós.

Fonte: Sindicato dos Bancários de Santos e região

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários