Bancários entram em greve por tempo indeterminado

Bancários entram em greve por tempo indeterminado

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

Primeiro dia fecha conta com adesão de centros administrativos e agências de diversos bancos

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Após cinco rodadas de negociação, a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) continuou irredutível e ofereceu os vergonhosos 5,5% de reajuste aos bancários sobre os salários, a PLR e demais verbas de caráter salarial, mais abono de R$ 2,5 mil. A proposta foi rejeitada por unanimidade e a greve geral por tempo indeterminado começou a ser deflagrada nesta terça-feira (6) .

“Abono significa perder mais de 4% do salário. É pago somente uma vez e ainda com descontos do imposto de renda e do INSS. Além de não incorporar no FGTS, na aposentadoria e no 13º salário. É uma chantagem, enganação que corrói os salários dos bancários. A categoria reivindica 16% de aumento salarial e maior distribuição dos lucros”, explica Ricardo Saraiva Big, presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região e diretor da Intersindical Central da Classe Trabalhadora.

Embora os banqueiros falem em crise, obtiveram lucro líquido de R$ 36,3 bilhões no 1º semestre deste ano, mas propuseram aos bancários apenas 5,5% de reajuste para salários, PLR, vales e auxílios, que nem chega perto de cobrir a inflação de 9,88% no período (INPC) e representa perda de 4% para a categoria. Esse resultado – alcançado por BB, Caixa, Itaú, Bradesco e Santander – é 27,4% maior que o obtido no mesmo período de 2014.

Contingenciamento

Ao invés de se negociar para apresentar proposta decente aos bancários, mais uma vez os bancos estão se organizando para desrespeitar o direito de greve dos trabalhadores.

Santander, Itaú e Banco do Brasil já estão colocando em prática os contingenciamentos, contrários à lei e até à Constituição Federal. Evidenciado pela transferência de departamentos inteiros ou agências para outros prédios.

Em São Paulo, Osasco e região foram paralisados o GPSA do Itaú, na Lins de Vasconcelos; Casa I e III do Santander; Bradesco Nova Central; Bradesco Prime na Avenida Paulista; Núcleo Alphaville do Bradesco; Centro Administrativo Raposo do Itaú; e também o prédio do Itaú da Rua Fábia, historicamente utilizado para a tentativa de contingenciamento, e outro na Rua Teodoro Sampaio utilizado para o mesmo fim.

Agências na região central, Avenida Brigadeiro Faria Lima e Avenida Paulista e região foram outros locais que pararam. O movimento deve crescer para outras regiões ao longo dos dias.

A greve é por tempo indeterminado com o objetivo de arrancar uma proposta digna da federação dos bancos.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários