fbpx

Bancários entram em greve por tempo indeterminado

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

Primeiro dia fecha conta com adesão de centros administrativos e agências de diversos bancos

Após cinco rodadas de negociação, a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) continuou irredutível e ofereceu os vergonhosos 5,5% de reajuste aos bancários sobre os salários, a PLR e demais verbas de caráter salarial, mais abono de R$ 2,5 mil. A proposta foi rejeitada por unanimidade e a greve geral por tempo indeterminado começou a ser deflagrada nesta terça-feira (6) .

“Abono significa perder mais de 4% do salário. É pago somente uma vez e ainda com descontos do imposto de renda e do INSS. Além de não incorporar no FGTS, na aposentadoria e no 13º salário. É uma chantagem, enganação que corrói os salários dos bancários. A categoria reivindica 16% de aumento salarial e maior distribuição dos lucros”, explica Ricardo Saraiva Big, presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região e diretor da Intersindical Central da Classe Trabalhadora.

Embora os banqueiros falem em crise, obtiveram lucro líquido de R$ 36,3 bilhões no 1º semestre deste ano, mas propuseram aos bancários apenas 5,5% de reajuste para salários, PLR, vales e auxílios, que nem chega perto de cobrir a inflação de 9,88% no período (INPC) e representa perda de 4% para a categoria. Esse resultado – alcançado por BB, Caixa, Itaú, Bradesco e Santander – é 27,4% maior que o obtido no mesmo período de 2014.

Contingenciamento

Ao invés de se negociar para apresentar proposta decente aos bancários, mais uma vez os bancos estão se organizando para desrespeitar o direito de greve dos trabalhadores.

Santander, Itaú e Banco do Brasil já estão colocando em prática os contingenciamentos, contrários à lei e até à Constituição Federal. Evidenciado pela transferência de departamentos inteiros ou agências para outros prédios.

Em São Paulo, Osasco e região foram paralisados o GPSA do Itaú, na Lins de Vasconcelos; Casa I e III do Santander; Bradesco Nova Central; Bradesco Prime na Avenida Paulista; Núcleo Alphaville do Bradesco; Centro Administrativo Raposo do Itaú; e também o prédio do Itaú da Rua Fábia, historicamente utilizado para a tentativa de contingenciamento, e outro na Rua Teodoro Sampaio utilizado para o mesmo fim.

Agências na região central, Avenida Brigadeiro Faria Lima e Avenida Paulista e região foram outros locais que pararam. O movimento deve crescer para outras regiões ao longo dos dias.

A greve é por tempo indeterminado com o objetivo de arrancar uma proposta digna da federação dos bancos.

ACHOU ESSA INFORMAÇÃO IMPORTANTE?Inscreva-se para receber nossas atualizações em seu e-mail

*

Top