Bancários em greve paralisam 326 agências no ES

Bancários em greve paralisam 326 agências no ES

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A greve dos bancários continua crescendo no Espírito Santo. Nesta segunda-feira, 12, chegou a 326 o número de agências fechadas no Estado, 12 a mais do que o registrado na última sexta-feira, e 70 a mais quando comparado ao primeiro dia da greve, iniciada em 6 de setembro.

A Grande Vitória concentra a maior adesão, com 180 agências paradas, sendo 38 da Caixa, 53 do Banestes, 40 do Banco do Brasil, 14 do Santander, 14 do Bradesco, 15 do Itaú, 5 HSBC  e uma do Safra. Também estão fechados três departamentos da Caixa, além do prédio do Bandes, CPD do Banestes e Pio XII do Banco do Brasil.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

No interior do Estado são 146 agências fechadas: 41 da Caixa, 36 do Banestes, 55 do Banco do Brasil, 11 de bancos privados e três do BNB.

Negociação

Os bancários realizam  amanhã (13), a partir das 14 horas, em São Paulo, nova rodada de negociação com a Fenaban, depois de terem rejeitado na última sexta-feira proposta patronal de 7% nos salários, PLR e auxílios refeição, alimentação, creche, mais abono de R$ 3,3 mil. A proposta inicial da Fenaban, apresentada no dia 29 de agosto, foi de reajuste de 6,5% para salários e benefícios, e abono de R$ 3 mil.

Os bancários reafirmaram que não concordam com o modelo de reajuste abaixo da inflação mais abono, e querem negociar, além das cláusulas salariais, as pautas de saúde, condições de trabalho, emprego, igualdade de oportunidades e segurança, ignoradas pelos bancos.

Confira as principais reivindicações dos bancários:

  • Reajuste salarial: reposição da inflação (9,57%) mais 5% de aumento real;
  • PLR: 3 salários mais R$8.317,90;
  • Piso: R$3.940,24 (equivalente ao salário mínimo do Dieese em valores de junho último);
  • Vale alimentação no valor de R$880,00 ao mês (valor do salário mínimo);
  • Vale refeição no valor de R$880,00 ao mês;
  • 13ª cesta e auxílio-creche/babá no valor de R$880,00 ao mês;
  • Melhores condições de trabalho com o fim das metas abusivas e do assédio moral que adoecem os bancários;
  • Emprego: fim das demissões, mais contratações, fim da rotatividade e combate às terceirizações diante dos riscos de aprovação do PLC 30/15 no Senado Federal, além da ratificação da Convenção 158 da OIT, que coíbe dispensas imotivadas;
  • Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS): para todos os bancários;
  • Auxílio-educação: pagamento para graduação e pós;
  • Prevenção contra assaltos e sequestros: permanência de dois vigilantes por andar nas agências e pontos de serviços bancários, conforme legislação. Instalação de portas giratórias com detector de metais na entrada das áreas de autoatendimento e biombos nos caixas. Abertura e fechamento remoto das agências, fim da guarda das chaves por funcionários;
  • Igualdade de oportunidades: fim às discriminações nos salários e na ascensão profissional de mulheres, negros, gays, lésbicas, transsexuais e pessoas com deficiência (PCDs).

Fonte: Sindicato dos Bancários do Espírito Santo e Região

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários