Bancários do ES realizam Pedalaço Contra a Terceirização

Bancários do ES realizam Pedalaço Contra a Terceirização

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Sindicato dos Bancários do Espírito Santo

A rua de lazer da Praia de Camburi foi ocupada por centenas de pessoas que participaram do Pedalaço Contra a Terceirização, no domingo, dia 21, realizado pelo Sindicato dos Bancários/ES. A atividade teve como objetivo dar visibilidade às ações de mobilização contra a terceirização. A concentração do Pedalaço foi no Píer de Iemanjá, de onde as pessoas saíram rumo à Avenida Adalberto Simão Nader.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Segundo o coordenador geral do Sindibancários, Jessé Alvarenga, o Pedalaço é uma forma de fazer com que o PL 4330, que permite às empresas contratar trabalhadores terceirizados em qualquer ramo de atividade, não caia no esquecimento. “O projeto de lei está no Senado e pode ser votado a qualquer momento. A classe trabalhadora não pode deixar isso acontecer. As mobilizações têm que ser constantes. A aprovação desse projeto de lei significa a precarização dos trabalhadores brasileiros”, afirma Jessé.

O sindicalista destaca os prejuízos que o PL 4330 pode trazer à categoria bancária. “A terceirização irrestrita permite até mesmo que caixas e gerentes sejam terceirizados. Significa o fim da categoria bancária e a perda dos direitos garantidos com anos de luta, pois os bancários não serão mais amparados pela Convenção Coletiva Nacional”, explica o coordenador geral do Sindibancários.

A convivência com trabalhadores que já atuaram como terceirizados fez com que a bancária da Caixa, Priscila Mendes Vanotelli, comparecesse ao Pedalaço. “Conheço vários trabalhadores terceirizados e a realidade deles é precária. Os salários são reduzidos, a jornada de trabalho é maior e muitos deles contam que, ao chegar próximo do período de férias, são demitidos e, posteriormente, contratados por outra empresa, não podendo usufruir do período de descanso”, relata a bancária.

Não foram somente os bancários que participaram do Pedalaço. O aposentado Robson Smarzaro, que estava passando pela Orla de Camburi, viu a movimentação e resolveu aderir ao grupo. Ele era funcionário da antiga Companhia Siderúrgica de Tubarão (CST), hoje ArcelorMittal Tubarão, e vivenciou o processo de privatização da empresa, em 1992. “Já existiam terceirizados na CST, mas depois que foi privatizada houve demissão em massa para ampliar ainda mais o número de terceirizados”, recorda.

Robson afirma que a realidade dos terceirizados era muito difícil. “O salário deles era cerca de 20% menor, não tinham os mesmos direitos que os trabalhadores diretos e eram tratados como inferiores pela própria empresa. Quando tinha uma tarefa que ninguém gostava de fazer, a chefia mandava os terceirizados executarem”, diz o aposentado. 

Para garantir maior participação no Pedalaço, o Sindicato disponibilizou algumas bicicletas. Quem preferiu não pedalar, juntou-se ao grupo caminhando, praticando corrida ou andando de skate.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários