Bancários de Santos vão protestar contra privatização da Caixa nesta sexta

Bancários de Santos vão protestar contra privatização da Caixa nesta sexta

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Sindicato dos Bancários de Santos e região
Nesta sexta-feira, 27/2, os bancários da Caixa Econômica Federal e a diretoria do Sindicato dos Bancários de Santos e Região vão paralisar várias agências da Baixada Santista até às 12h

Os empregados da Caixa Econômica Federal e a diretoria do Sindicato dos Bancários de Santos e Região vão paralisar unidades da Caixa Econômica em diversas cidades da Baixada, até às 12h, como forma de protesto contra a abertura do capital do único banco 100% público do País na bolsa de valores. Esta sexta, 27, é o Dia Nacional em Defesa da Caixa. No ato serão utilizados cartazes e será distribuída carta aberta esclarecendo as desvantagens de uma privatização para o Brasil.

“Claro que isso é um dos objetivos do ex-banqueiro do Bradesco e novo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, que está defendendo os interesses do mercado financeiro e não dos trabalhadores”, realça Ricardo Saraiva Big, Presidente do Sindicato dos Bancários de Santos e Região e Secretário de Relações Internacionais da Intersindical.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Caso o banco tenha parte privatizada na bolsa de valores os especuladores vão colocar as mãos em diversos recursos repassados para fomentar o desenvolvimento do País. Por exemplo, a Caixa patrocina o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES). Repassa recursos das loterias para projetos sociais e instituições subordinadas ao Governo federal atuando na área de esportes, seguridade social, educação, cultura e segurança penitenciária.

O banco centraliza operações como o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), Programa de Integração Social (PIS) e Habitação popular (Programa de Arrendamento Residencial – PAR, Carta de Crédito, FGTS, entre outros). É agente pagador também do Bolsa Família, programa de complementação de renda do Governo Federal e do Seguro-desemprego.

Atua ainda no financiamento de obras públicas, principalmente voltadas para o saneamento básico, destinando recursos a estados e municípios. Também faz a intermediação de verbas do Governo federal destinadas ao setor público. Acima de tudo, a Caixa Econômica Federal é um órgão público controlado pelo Tesouro Nacional da República Federativa do Brasil.

O Sindicato dos Bancários de Santos e Região, filiado à Intersindical-Central da Classe Trabalhadora, repudia com veemência a abertura do capital do maior banco público da América Latina.

A Intersindical e a diretoria do Sindicato sempre estiveram engajadas para que os bancos públicos como a Caixa e Banco do Brasil façam seu papel social atuando na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável do País, como instituição financeira, agente de políticas públicas e parceira estratégica do Estado brasileiro. É um crime empurrar o banco para o mercado financeiro e privatizá-lo, desviando bilhões do bolso dos trabalhadores para especuladores da bolsa.

Segundo relatou a nova equipe econômica de Dilma (dia 22/12, à Folha de São Paulo), o projeto seria fazer uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) daqui a um ano e meio aproximadamente, pois antes da operação, o banco teria de passar por um PROCESSO DE SANEAMENTO.

Leia a carta aberta à população

Diga NÃO à privatização da Caixa

Dilma quer privatizar a Caixa Econômica Federal e a luta é de todos: do povo brasileiro, dos trabalhadores, dos estudantes, do movimento sindical e dos bancários. Sua privatização vai afetar muito a população e os trabalhadores. O dinheiro dos trabalhadores irá para as mãos dos especuladores, porque o banco centraliza operações como o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e Programa de Integração Social (PIS). Financiamentos para Habitação Popular (Programa de Arrendamento Residencial – PAR, Carta de Crédito, FGTS, entre outros) ficarão mais caros, porque o objetivo não será mais social e sim LUCRO. O Bolsa Família correrá sério risco, assim como o Seguro-desemprego. Patrocínios podem acabar para o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES), para recursos das loterias para projetos sociais de seguridade social, educação, cultura e segurança penitenciária.


Sem falar na deterioração de financiamento de obras públicas voltadas para o saneamento básico.  A Intersindical – Central da Classe Trabalhadora e a diretoria do Sindicato dos Bancários de Santos e Região sempre lutaram para que bancos públicos como Caixa e BB façam seu papel social atuando na promoção da cidadania e do desenvolvimento do Brasil. É um crime privatizá-la e desviar bilhões dos bolsos dos trabalhadores para especuladores da Bolsa de Valores.

A caixa é um patrimônio do povo brasileiro, a luta é sua e é nossa, vamos resistir!

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários