Bancárias do Itaú são reintegradas ao trabalho após demissões arbitrárias

Bancárias do Itaú são reintegradas ao trabalho após demissões arbitrárias

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Na manhã desta terça-feira, 07, a bancária do Itaú Sônia Penha de Oliveira foi reintegrada ao trabalho após ser demitida em abril deste ano. Além dela, a também bancária do Itaú Virgínia Paulo Pereira foi reintegrada no último dia 26 de junho. Ambas conseguiram voltar ao trabalho por meio de ações judiciais movidas pelo Sindicato dos Bancários/ES.

No caso de Virgínia, o banco feriu o direito à estabilidade ao demiti-la durante a licença-saúde, obtida após adquirir doenças relacionadas ao trabalho. Com Sônia, o descaso não foi diferente. Além de dispensar a bancária sem que houvesse uma justificativa para isso, o banco passou por cima do direito à estabilidade da funcionária, garantido pelo fato dela ser diretora da Cooperativa de Profissionais de Instituições Financeiras (Coproinf). O argumento utilizado pelo Itaú para demitir a bancária foi que, há dois anos, ela fez uma operação de empréstimo com um colega de trabalho.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

“Trata-se de uma demissão arbitrária que o Sindicato conseguiu reverter por meio de uma ação judicial. É preciso que todos os bancários e bancárias que passarem por essa situação, ou sofrerem qualquer outra forma de danos aos seus direitos procurem o Sindicato para que possamos tomar as providências necessárias”, afirma o diretor do Sindicato dos Bancários/ES, José Carlos Schineider, que acompanhou a reintegração junto com o diretor da Fetraf/RJ-ES, Robson Gusmão.

O momento da demissão foi marcado por constrangimentos à trabalhadora. Ela foi chamada numa sala onde estava um inspetor. Sem permitir que a bancária se ausentasse do ambiente nem ao menos para ir ao banheiro, ele a obrigou a desligar o celular, ficou em pé ao seu lado para ter a certeza de que ela desligaria o aparelho e, depois de constatar que havia sido desligado, exigiu que o mantivesse afastado dela. Posteriormente, a pressionou a escrever uma carta de próprio punho com um conteúdo ditado por ele e que a comprometia. Contudo, a bancária não cedeu à pressão. Logo em seguida, recebeu uma carta das mãos do gerente regional anunciando a sua demissão.

Fonte: Sindicato dos Bancários do Espírito Santo
Imagem: Bancária Virgínia Paulo Pereira, que foi reintegrada no último dia 26 de junho
Foto: Sérgio Cardoso

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários