Ato Inter-relioso apoia bispos, repudia Bolsonaro e prega união

Ato Inter-relioso apoia bispos, repudia Bolsonaro e prega união

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O repúdio às políticas de Jair Bolsonaro nas mais diferentes áreas marcou o ato inter-religioso organizado pelo Projeto Brasil Nação no domingo, 9 de agosto, em apoio à Carta ao Povo de Deus. Transmitido pela TVT, o evento contou com a participação de integrantes de 11 denominações religiosas, representantes de movimentos sociais e artistas. Conduzido pelos jornalistas Juca Kfouri e Rosane Borges, a manifestação, de mais de duas horas, foi também uma homenagem à memória dos mais de 100 mil mortos pela Covid 19 e a dom Pedro Casaldáliga (1928-1920), falecido no dia anterior.

Ícone da luta pelos direitos humanos no Brasil e ex-presidente da Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo, a socióloga Margarida Genevois foi a primeira a falar. Em seguida, o ex-ministro Luiz Carlos Bresser-Pereira expôs as motivações do movimento em solidariedade aos 152 bispos que assinaram a Carta.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O documento dos bispos, afirmam seus apoiadores, “aponta os descalabros produzidos pelo governo Bolsonaro, que impõe ao país milhares de mortes na pandemia, ataques à democracia, desagregação social, desastre ambiental, uma economia que mata”.

Na visão do Projeto Brasil Nação, “Bolsonaro age para destruir o Brasil e subordiná-lo aos interesses estrangeiros, colocando a Nação como vassala dos Estados Unidos. Roendo as instituições, desprezando a população e aniquilando pequenas empresas, o governo se transforma em inimigo da vida, da saúde, da democracia, da soberania, da diplomacia, de direitos, da ética, da educação, da cultura, do desenvolvimento com justiça, igualdade e paz”.

O cardeal dom Cláudio Hummes enviou mensagem ao grupo: “Agradeço muito a todos do Projeto Brasil Nação pelo apoio à Carta ao Povo de Deus. A intenção da carta foi dar nossa contribuição para despertar a consciência do povo brasileiro e animá-lo a enfrentar e lutar contra os riscos que correm em nosso país a democracia, a saúde do povo, os povos indígenas, a floresta amazônica e sua gente, os pobres de modo geral, a educação e a cultura. Se conseguirmos unir-nos todos os que amamos de verdade nosso país e nossa gente, haveremos de superar este tempo difícil e sombrio”.

A manifestação foi lida logo no início do evento, que trouxe em seguida a fala de d. Angélico Sândalo Bernardino, bispo emérito de Blumenau. Participaram, no decorrer do ato, os bispos Dom Vicente de Paula Ferreira, bispo auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte/MG, Dom Leonardo Ulrich Steiner, Arcebispo de Manaus/AM e Dom Zanoni Demettino Castro, Arcebispo de Feira de Santana/BA. Este último respondeu ao vivo a perguntas de Juca e Rosane.

Também respondeu a questões, a pastora Romi Bencke, ativista do movimento ecumênico e inter-religioso, falando desde Brasília.

Mandaram sua mensagem ao ato: Ariovaldo Ramos, da Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito, Babalawo Ivanir dos Santos, do candomblé, Mãe Marilena, da umbanda, a budista Monja Coen, Avelim Buniacá, liderança indígena, Lusmarina Garcia, pastora Luterana, Franklin Félix, espírita, o rabino Alexandre Leone, Naudal Alves Gomes, bispo primaz da igreja episcopal anglicana, o sheik Rodrigo Jalloul, líder religioso do islamismo, Walter Altmann, pastor emérito e teólogo luterano, ex-moderador do Conselho Mundial de Igrejas, Carlos Moura, ex-secretário executivo da Comissão Brasileira Justiça e Paz da CNBB.

Também se pronunciaram: Paulo Cesar Pedrini, coordenador da Pastoral Operária da Arquidiocese de São Paulo, Preta Ferreira, cantora e militante do Movimento Sem Teto do Centro, Aquiles Rique Reis, do MPB4, Marluí Miranda, compositora, cantora e pesquisadora da cultura indígena brasileira, a cantora Fabiana Cozza, o músico Daniel Ayres, do Batuntã. João Pedro Stedile, do MST, falou sobre a trajetória e o legado de Casaldáliga.

O ato teve as apresentações musicais do MPB4, do grupo Pau Brasil, do Batuntã, de Marluí Miranda, Preta Ferreira, Chico César, Fabiana Cozza e do coro Luther King.

O ex-ministro Celso Amorim fechou o evento, salientando a relevância e a abrangência da “Carta ao Povo de Deus” e a necessidade de a sociedade agir nesse momento tão dramático da vida do Brasil.

As adesões ao abaixo-assinado de apoio ao documento continuam abertas em: http://chng.it/McwLGkwN

A íntegra do ato está disponível no canal da Rede TVT no YouTube. Assista abaixo:

https://www.youtube.com/watch?v=wU70raCxqLY

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários