Ato contra homofobia exige o fim da violência aos LGBT

Cerca de dois mil manifestantes participaram da marcha contra a homofobia realizada na Av. Paulista no último sábado. O objetivo da mobilização foi mostrar a necessidade de ser aprovado o PLC 122/06 que criminaliza algumas formas de discriminação como também pressionar o poder público para reverter a epidemia de violência homofóbica através de políticas na área da saúde, educação e segurança. O ato foi convocado pelo grupo Ato Anti-Homofobia e  divulgado massivamente pela internet e pelos diversos movimentos e grupos sociais que apoiaram a construção da manifestação. O evento contou com a participação dos deputados Ivan Valente, Jean Wyllys e Carlos Gianazzi; da senadora Marta Suplicy e da Ministra Maria do Rosário. A marcha seguiu até o número 777 da Av. Paulista e ao longo da trajetória foi recebendo uma crescente adesão das pessoas que passavam pelo local.
 
A luta contra homofobia é  fundamental para a construção de uma sociedade justa e igualitária. No mundo do trabalho, a exploração junto com todas as formas de opressão pesam fortemente na vida cotidiana das trabalhadoras e trabalhadores. Jovens LGBT desde da escola sofrem com o preconceito e a exclusão, culminando depois em trabalhos precarizados ou no desemprego ou numa vida marginalizada pelo Estado e pela sociedade.
 
Os poucos avanços que foram conquistados até agora foi através de muita mobilização dos movimentos LGBT. Mesmo o diálogo com governo federal não foi capaz de alavancar  políticas públicas efetivas para a população LGBT. E a situação vai ficar muito mais difícil por conta do corte de 50 bilhões no serviço público federal, do novo salário mínimo que é o primeiro abaixo da inflação desde 1997, da iminência do congelamento dos salários dos servidores por 10 anos e da continuidade dos ataques aos direitos previdenciários. Isto implica em menos recursos para para saúde e educação e também menos recursos para as politicas pró LGBT nestas áreas e em segurança.
 
A luta contra a homofobia, como a luta dos movimentos pelo trabalho, pela terra, pela moradia, pelo meio ambiente, pelo feminismo, contra o racismo e muitas outras; todas convergem na luta pela vida. Diante de uma crise civilizatória que a humanidade se depara, esta luta deve ser travada em conjunto com todos os movimentos em direção a  uma sociedade com liberdade e sem homofobia.
 
Intersindical – Mancuso
 
 

*

Top