Aposentadoria Fica, Temer Sai! Paramos 8/3 pela vida das mulheres!

Aposentadoria Fica, Temer Sai! Paramos 8/3 pela vida das mulheres!

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:
→ Mulheres vão às ruas neste 8 de março dizer: se nossas vidas não valem, produzam sem nós! Basta de feminicídio!
→ Chamado à mobilização para 15 de março
→ Baixe o Jornal da Reforma da Previdência
→ Baixe as apresentações do seminário Reforma da Previdência do DIEESE
→ Vídeo (2 min.): Desmascarando a Farsa do Rombo da Previdência


As mulheres sempre estiveram à frente das lutas por igualdade de direitos, por uma vida sem violência, e em defesa do direito de decidir sobre seu corpo. Isso é o feminismo: a ação coletiva das mulheres para transformar suas vidas e o mundo.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Essa vontade de mudar a vida não é só das brasileiras. No mundo todo o feminismo está nas ruas para denunciar o aumento da violência contra as mulheres e os governos que são contrários aos seus direitos. A campanha NiUnaMenos  e a proposta do Paro Internacional de Mujeres na Argentina e outros países da América Latina e a Marcha das Mulheres nos Estados Unidos,  demonstram a resistência crescente das mulheres, negras, lésbicas, latinas, bissexuais, indígenas, imigrantes e transexuais, contra o avanço do conservadorismo.

Foi muito longe do Brasil, na Rússia, que há exatos 100 anos, as mulheres trabalhadoras organizaram uma greve por melhores condições de trabalho e de vida, inaugurando o processo da revolução Russa. Essa revolução foi um marco na história do povo daquele país e de todo o mundo. Mulheres e homens passaram a construir novas relações econômicas, políticas, e também novas relações de igualdade. Como naquele momento, hoje as mulheres são o motor dessas mudanças. 

É Pela vida das mulheres!

O aumento da violência patriarcal – machista e racista – fica mais evidente a cada dia. Casos extremos como os da chacina de Campinas e o assassinato de Luana Barbosa em Ribeirão Preto são exceções que confirmam a regra, expressões exacerbadas de um cotidiano marcado por agressões e abusos.

Os dados são assustadores: o Brasil tem a 5ª maior taxa de morte de mulheres do mundo; em 10 anos, a quantidade de negras assassinadas e os casos de estupro notificados no país aumentaram 54% e 51% respectivamente. Essa violência é usada para nos controlar, para que tenhamos medo até de sair na rua, tanto para trabalhar e vivenciar momentos de lazer, quanto para reivindicar nossos direitos. 

A violência também se manifesta no controle do nosso corpo e da nossa sexualidade. Devemos ser “belas, recatadas e do lar”, logo, não podemos decidir com quem e nem como nos relacionar. Tampouco podemos escolher sobre maternidade, que nos é imposta como “destino”, como designío da natureza, em outras palavras, como obrigação.

As mulheres que não aceitam o controle sobre seus corpos e nem modelo de sexualidade vigente estão sujeitas a receber “punição” tanto do Estado quanto da sociedade. A proibição do aborto, ou a realização de abortos em condições precárias, mata uma mulher a cada 09 minutos em nosso país. Lésbicas e bissexuais sofrem estupros “corretivos”, e estampamos a vergonhosa estatística do país que mais mata transsexuais e travestis no mundo, são 600 mortes em 6 anos. 

Além disto, temos que nos enfrentar com governos que ao invés de aplicar os recursos em políticas públicas focadas na superação da violência, dos preconceitos, e na ampliação da malha de serviços para atender as nossas reais demandas, adotam o sucateamento e o descaso como política.

Na cidade de São Paulo, a gestão João Dória,  seguindo o exemplo do governo ilegítimo de Michel Temer, acabou em uma canetada só com a Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres e com  Secretaria Municipal de Política de Promoção da Igualdade Racial, reduziu o transporte escolar e promete acabar com as farmácias nos postos de saúde, além de privatizar parques entre outros patrimônios públicos, tudo com a desculpa de “redução de despesas”.

Aposentadoria Fica! Temer Sai! 

O país que vivemos hoje não é mais o mesmo: Temer não é um presidente legítimo. Foi colocado como presidente após um golpe de novo tipo, fruto da articulação entre os diversos setores dos patrões, os meios de comunicação de massa como a Globo, o poder judiciário e os parlamentares. Este golpe é racista e Patriarcal, semeou ódio contra as mulheres, a população negra e os mais pobres e quer exterminar as organizações de movimentos populares e sociais.

O governo golpista tem objetivos maiores e já começou a mudar as  leis trabalhistas e a aposentadoria, fazendo o povo e as mulheres trabalharem ainda mais.

Temer quer mudar as regras da aposentadoria obrigando os trabalhadores e trabalhadoras a contribuir por mais anos. Os golpistas dizem que a Previdência está em crise, mas isso é mentira. A seguridade social em 2015 deixou um resultado positivo de 23,948 bilhões de reais! 

Um dos principais pontos que Temer levanta é o aumento da idade mínima para aposentar. No caso das mulheres, ele quer igualar o tempo de contribuição com os homens. Atualmente, as mulheres podem se aposentar 5 anos mais cedo. Isso é fruto do reconhecimento do trabalho das mulheres no cotidiano: além de arcar com o trabalho doméstico, entram e saem mais vezes do mercado de trabalho e ocupam a maioria dos cargos precários e informais. A vitória que as trabalhadoras domésticas, em sua maioria negras, tiveram há alguns anos com a regulamentação de seu trabalho será duramente atacada com essas medidas. 

Você sabia que? 

*As mulheres, por conta do trabalho doméstico não remunerado, chegam a trabalhar 12 horas a mais por semana que os homens. Se somarmos o número que horas que as mulheres trabalham a mais é como se fizéssemos em 30 anos o que os homens fazem em 40. 

* Se o projeto de reforma for aprovado, 47% das mulheres que estão no mercado de trabalho hoje não conseguirão se aposentar.

* 74% das pensionistas são mulheres, a maioria delas hoje recebe um salário mínimo, com a reforma os benefícios poderão ser pagos em valor inferior ao mínimo.

Além disto, quem tem a pensão terá que escolher entre recebê-la ou receber sua própria aposentadoria.

A proposta atual do governo Temer é aumentar a idade de aposentadoria de homens e mulheres para 65 anos. Mas vamos fazer as contas, se a proposta de Temer passar, quem vai poder se aposentar realmente? 

A diferença na expectativa de vida entre as pessoas que vivem nos bairros ricos e pobres de São Paulo pode chegar a 25 anos. Por exemplo, enquanto no Alto de Pinheiros se vive até quase 80 anos, na Cidade Tiradentes a média não chega aos 55. No estado de São Paulo a situação não é diferente. Ou seja, são os mais pobres, mulheres e negros e a população rural, são os que na pratica vão perder seu direito a aposentadoria! E a situação piora no caso de transexuais e travestis, com a menor expectativa de vida de todas: apenas 35 anos!

É por isso que no 8 de março nós mulheres estaremos nas ruas! 

Contra a Reforma da Previdência e Trabalhista

Contra a Violência Machista

Pela Legalização do Aborto

FORA TEMER! É PELA VIDA DAS MULHERES! 

Junte-se a nós!

Quando: 8 de março
Local: Praça da Sé
Horário: 15 horas
Clique aqui para ver o evento no Facebook

Fonte: INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários