Após livrar Temer, Câmara mira previdência e serviço público

Após livrar Temer, Câmara mira previdência e serviço público

Após livrar Temer, Câmara mira previdência e serviço público

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O povo brasileiro assistiu a mais um espetáculo cínico da Câmara dos Deputados. Apenas 233 deputados votaram pelo prosseguimento das investigações de Temer e seus dois ministros. Eram necessários 342 votos para abertura do processo no STF.

De verbas, cargos, a liberação do trabalho escravo, tudo foi feito para garantir os 251 votos obtidos pelo governo.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Defenestrado pela maioria absoluta da população, Temer é sustentado para dar continuidade ao desmonte do Estado, dos direitos sociais e trabalhistas e entregar as riquezas do país.

Protagonismo de Rodrigo Maia

Assim como Temer, Maia está absolutamente comprometido com a agenda de deformas exigidas pelo capital financeiro e a grande mídia.

Diante do desgaste e desmoralização de Temer, Rodrigo Maia já chamou pra si a responsabilidade de impedir o acesso da população trabalhadora ao direito à aposentadoria, entre outras medidas exigidas pelos financiadores do golpe de 2016. “A gente precisa priorizar a idade mínima, a gente precisa priorizar a reforma do serviço público”, afirmou o presidente da Câmara dos Deputados.

Pelo anunciado, pretendem mirar no aumento do tempo de contribuição, prejudicando os mais pobres através de Projeto de Lei, o que fere a Constituição, que exige uma Emenda Constitucional para esse tipo de mudança.

Outra medida debatida é aumentar a alíquota de contribuição do funcionalismo, além de acabar com a estabilidade no serviço público.

Maia chegou a sugerir mudanças para permitir que o Tesouro Nacional use dinheiro público para socorrer bancos em “dificuldades”.

Diante da continuidade do desmonte, é fundamental articular um amplo processo de unidade dos setores populares, com capacidade de mobilização e luta política superior ao realizado no primeiro semestre.

O Dia Nacional de Paralisações e Protestos marcado para 10 de novembro é um passo para isso, e por isso deve envolver todos os setores do movimento, como as centrais, as frentes de mobilização, além de dialogar com setores democráticos como a CNBB, os evangélicos progressistas, a Anamatra entre outros.

Veja quem votou para salvar Temer


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Siga-nos no INSTAGRAM
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais antigos
Mais recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
Jarbas Cordeiro de Macedo
Jarbas Cordeiro de Macedo
3 anos atrás

Tudo isso para agradar os grandes do mercado financeiro. Governo fraco de incompetentes e filhos do diabo. O dia de vocês pagarem chegará com certeza. E o povo todo assistindo de camarote.