Amianto: Supremo reconhece legitimidade da Anamatra e da ANPT para propor ação direta de inconstitucionalidade

Amianto: Supremo reconhece legitimidade da Anamatra e da ANPT para propor ação direta de inconstitucionalidade

Amianto Supremo reconhece legitimidade da Anamatra e ANPT

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Após voto da relatora, ministra Rosa Weber, pela procedência na ADI 4066, STF adia julgamento do mérito para a próxima quarta (23/08)

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu na sessão desta quinta (17/8), por seis votos a dois, a legitimidade ativa da Anamatra e da Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT) para a propositura da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 4066/DF, que questiona a Lei 9.055/95, na parte em que autoriza a continuidade do uso do amianto crisotila no Brasil. A decisão ocorreu nos termos do voto da relatora, ministra Rosa Weber. “Reputo como inegável a representatividade das associações”, declarou a ministra, citando a jurisprudência da Corte.  A sessão foi acompanhada pela vice-presidente da Anamatra, Noemia Porto, e pelo diretor de Prerrogativas e Assuntos Jurídicos da entidade, Luiz Colussi.

A magistrada também reconheceu a pertinência temática das associações com relação ao tema objeto da ADI.  Para Rosa Weber, o preceito questionado não tem como objeto o interesse corporativo ou econômico desta ou daquela categoria de trabalhadores. “Cuida-se, isto sim, de norma cujos efeitos se projetam de forma ampla sobre a saúde humana e o meio ambiente, bens jurídicos especialmente tutelados pela Carta política”, pontuou, ressaltando que a iniciativa não é apenas legítima, mas também se constitui imperativo ético o compromisso daqueles que têm como dever funcional a aplicação da lei e a fiscalização do seu cumprimento com a constitucionalidade do Direito que lhes cabe observar.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Votaram com a relatora a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, e os ministros Celso de Mello, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Luiz Fux e Edson Fachin. Restaram vencidos os ministros Alexandre de Moraes e Marco Aurélio. O ministro Roberto Barroso declarou-se impedido. Já o ministro Dias Toffoli, não participou da sessão por razões médicas.

Na avaliação do presidente da Anamatra, Guilherme Feliciano, a sinalização da Suprema Corte na questão é positiva. “A legitimidade da Anamatra para discutir a constitucionalidade de temas relativos à cidadania, à moralidade pública e aos direitos sociais vinha sofrendo uma imensa restrição no Supremo. A nossa expectativa é que, com essa decisão,  esse entendimento reflua, abrindo o horizonte para as nossas possibilidades de atuação”, afirma.

Adiamento da decisão

A decisão sobre o mérito da ADI 4066 ficou para a próxima quarta (23/8). Antes do adiamento, decidido pelo colegiado, a ministra Rosa Weber votou pela procedência na ADI 4066. A magistrada reconheceu a inconstitucionalidade do dispositivo da lei federal que autoriza a extração, industrialização e comercialização do amianto crisotila. Na avaliação da relatora, a fibra é lesiva para a saúde dos trabalhadores, familiares, população das localidades que a produzem, consumidores e pessoas expostas ao descarte.

Na última sessão, o ministro Dias Toffoli proferiu voto-vista em quatro ações contra leis de três estados (PE, RS e SP) e do Município de São Paulo, que proíbem a produção, comércio e uso de produtos com amianto nos respectivos territórios. O magistrado foi favorável à legalidade das leis e, assim como a ministra Rosa Weber, contrário à autorização federal para a exploração do amianto. As ações foram propostas entre 2004 e 2008 pela Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria (CNI).

Na ADI 4066, a Anamatra e a ANPT ressaltam que a fibra é considerada cancerígena, além de causadora da asbestose (enrijecimento dos tecidos pulmonares e perda dos movimentos de complacência, podendo levar à morte por insuficiência respiratória) e vem afetando a saúde de milhares de trabalhadores e até mesmo das comunidades que residem em áreas próximas às fábricas de produtos que utilizam o amianto. Segundo juízes e procuradores, as normas constitucionais brasileiras apontam no sentido da integral proteção ao meio ambiente, o que inclui o ambiente do trabalho.

Fonte: Anamatra


INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se aqui em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários