fbpx

Amauri Soares celebra atuação conjunta entre Intersindical e Federação Sindical Mundial

“Foi uma alegria chegar aqui é ver a bandeira da Intersindical ao lado da FSM [Federação Sindical Mundial]”, expôs Amauri Soares, dirigente nacional da central.

Soares destacou a importância da realização do primeiro Seminário Internacional da Intersindical, especialmente, com participação de sindicalistas de Chile, Cuba, Peru, Panamá, Argentina, Venezuela, Equador e Uruguai.

Para o dirigente, o seminário ganha especial importância devido ao avanço imperialistas contra toda a América Latina, em especial, contra a Venezuela.

“Se a Venezuela é a experiência [progressista] mais avançada desde 1990, é ali onde o imperialismo tem mais trabalho e age de forma mais cruel”, definiu. Segundo Soares, a intervenção externa ao país não aconteceu até agora simplesmente porque os Estados Unidos não tiveram força suficiente contra o povo e o governo venezuelano.

“A Venezuela é o principal foco de resistência na América Latina. Se a Venezuela cair, ela não cai sozinha. É o principal ponto de referência de projeto futuro para a humanidade. Precisamos estabelecer esse debate na classe trabalhadora, para entendermos que a guerra afetaria toda a população brasileira, e só o imperialismo seria beneficiado”, sentenciou Soares.


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

 

ACHOU ESSA INFORMAÇÃO IMPORTANTE?Inscreva-se para receber nossas atualizações em seu e-mail

*

Top