Audiência pública na Alesp vai debater corte de recursos no Metrô e CPTM

Audiência pública na Alesp vai debater corte de recursos no Metrô e CPTM

Alesp vai debater corte de recursos no Metrô e CPTM

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O governo de São Paulo enviou um projeto de lei à Assembleia Legislativa (Alesp) que prevê redução no orçamento para o Metrô e a CPTM em 2019. Os recursos do Metrô devem cair de R$ 2,28 para R$ 2,05 bilhões e, da CPTM, de R$ 3,7 para 3,4 bilhões, cortes de 9,86% e 8,8%, respectivamente. Para discutir o projeto, o Sindicato dos Metroviários de São Paulo convoca a Audiência Pública “Contra o corte de orçamento e a privatização do Metrô” para o dia 26 de novembro, às 14h, na Alesp. O evento é realizado pelo gabinete do deputado Carlos Gianazzi (PSOL) e tem apoio da deputada Leci Brandão (PCdoB), da liderança do PT e do PSTU.

Diretor do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, Sérgio Magalhães explica que a audiência na Alesp será um ponto de partida para subsidiar a luta contra a privatização e por mais investimentos para o Metrô e a CPTM. “A audiência vai servir para pautar o tema político [do metrô] de forma global e iniciar o ano [2019] na resistência. Vamos fazer a discussão da necessidade de expansão, de um lado; e do processo de privatização, de outro”, expõe.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A justificativa do Metrô e do governo estadual para as cortes é de que, em 2019, não haverá obras de expansão. Ao longo deste ano, foram inauguradas nove estações, seis na Linha 5-Lilás e três na Linha 4-Amarela. “É o clássico. Utilizaram as inaugurações eleitoralmente. Imediatamente após, cortam a expansão”, critica o metroviário Magalhães.

O diretor sindical afirma que o corpo técnico do Metrô tem consenso unânime sobre a necessidade de expansão. “A malha cresce, em média, 1 km ao ano. Nesse ritmo, sempre será deficitário. A expansão exige um financiamento pesado, maior do que já tem, sistemático e ininterrupto”, sustenta. Engenheiro e consultor de transportes, Sérgio Ejzenberg, concorda, em entrevista à Folha. “A diminuição do orçamento, principalmente no Metrô, só poderia ser justificada se a malha já estivesse completa, o que ainda está distante de ocorrer. Atualmente, temos apenas 90 km de extensão, quando o ideal são 400 km”, afirma.

Para Magalhães, o corte no orçamento é anúncio de que o processo de privatização vem com força no próximo período. “A sanha privatista vai ser uma loucura”, lamenta. Neste ano, a Linha 5-Lilás foi repassada ao Grupo CCR, que também faz parte do consórcio privado que opera a Linha 4-Amarela. “A gente denuncia exatamente isso: a falta de uma política de expansão necessária associada à política de privatização”, sintetiza o diretor dos Metroviários.

Serviço:

O QUÊ: Audiência Pública “Contra o corte de orçamento e a privatização do Metrô”
QUANDO: 26/11, a partir das 14h
ONDE: Assembleia Legislativa (Plenário Dom Pedro I)


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários