Agora é oficial: Eduardo Cunha, o grande mentor do extermínio de direitos dos trabalhadores, é réu de ação penal no STF.

Agora é oficial: Eduardo Cunha, o grande mentor do extermínio de direitos dos trabalhadores, é réu de ação penal no STF.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Pela primeira vez um presidente da Câmara responderá a um processo criminal. Por decisão unânime, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu tornar o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) réu de uma ação penal, acusado dos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O grande mentor dos projetos de lei que exterminam direitos já conquistados pelos brasileiros é Cunha.  Sob a égide dele estão o PLC 30/15, de terceirização e quarteirização; o Novo Código da Mineração que acaba com quilombolas, reservas indígenas e ribeirinhos dando carta branca às mineradoras; a redução da maioridade penal; a lei antiterrorismo; a revogação do Estatuto do Desarmamento e mudanças no Estatuto da Família que atacam direitos já existentes em casos de união homoafetiva, atendimento às vítimas de estupro e aborto legalizado.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

A decisão do STF tem potencial de enfraquecer Cunha e dar novo fôlego às tentativas de tirá-lo do seu cargo – seja por meio de uma cassação no Conselho de Ética da Câmara ou por meio de uma decisão do STF para afastá-lo.

 Após cerca de cinco meses analisando o caso, finalmente os ministros do STF decidiram por unanimidade abrir processo contra Cunha.

De própria autoria, o famigerado Eduardo Cunha teve a audácia de propor  alguns dos projetos mais retrógrados do país. É o caso do PL 1545/2011, que tipifica o crime de aborto praticado por médico, sob o pretexto de que as penas para o aborto previstas no Código Penal são extremamente brandas, o PL 7443/2006, que inclui o aborto no rol de crimes hediondos (como  tortura, tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, além de terrorismo), o PL 1672/2011 que institui o Dia do Orgulho Heterossexual e o PL 7382/2010 que penaliza a discriminação contra heterossexuais e determina que as medidas e políticas públicas antidiscriminatórias atentem para essa possibilidade.

 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários