Terceirização: Adiada a votação do PL 4302/98, o morto vivo que aterroriza os trabalhadores

Terceirização: Adiada a votação do PL 4302/98, o morto vivo que aterroriza os trabalhadores

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:
Pressione deputados da Comissão da Reforma da Previdência: acesse a lista!
→ Baixe o Jornal da Reforma da Previdência
 Vídeo (3 min.): Wagner Moura e Povo Sem Medo explicam a reforma da Previdência
→ Vídeo (2 min.): Desmascarando a Farsa do Rombo da Previdência


O governo Temer concordou em adiar a votação do PL 4.302/98, prevista para ocorrer nesta terça-feira (7). Diante da pressão de parlamentares e centrais sindicais, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), suspendeu a iniciativa, mas não deu nova previsão de data, o que exige ainda mais atenção da classe trabalhadora para impedir que o texto seja aprovado – uma vez que esse projeto morto-vivo já tramitou há 19 anos na Câmara e Senado e exige apenas mais uma votação na Câmara para virar lei.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Hoje (7), em reunião realizada na Câmara dos Deputados com a Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos da Classe Trabalhadora, o Fórum da Terceirização e o Fórum Interinstitucional em Defesa do Direito do Trabalho e da Previdência Social, foi discutido o bombardeio que o governo Temer tenta impor sobre a classe trabalhadora com inúmeros projetos de lei que exterminam direitos sociais e polarizam ainda mais a luta de classes.

O projeto que Temer e Maia querem votar (PL 4302/1998) é um morto-vivo que tramitou há 19 anos durante o governo FHC, com outro Congresso e em outro contexto, consegue ser mais nocivo ao povo brasileiro que o PL 4330, votado na Câmara em 2015. Para legalizar a fraude, o projeto isenta empresa que contratou a terceirizada de ser questionada na justiça por débitos trabalhistas e previdenciários dos funcionários da terceirizadora.

Já o relatório substitutivo do Senador Paim construído com amplo debate com os trabalhadores/as e a sociedade, está sendo completamente ignorado pelo governo Temer.

Para a Intersindical, não basta incorporar aspectos do PL 4330 da Câmara. A terceirização geral e irrestrita seria nefasto para o mundo do trabalho, atingindo todas e todos que vivem do seu trabalho. Não se pode aceitar o aumento da precarização. Ao contrário, temos é de garantir aos trabalhadores/as já terceirizados, principalmente no setor privado, as mesmas condições e direitos dos funcionários diretamente contratados. Mas o empresariado e o governo ilegítimo querem é aumentar a precarização. Por isso, nem 4302 nem 4330. Exigimos emprego decente para todas e todos.

“Esse debate não é sério quando se tramitam simultaneamente três “reformas radicais” de peso: o PL 4302, o PLC 30 (ambos trabalhistas), e a PEC 287 (Reforma da Previdência). Isso é coisa de quem não quer debater. Não há como discutir tudo isso junto. O PL 4203 é muito pior. É preciso que a sociedade saiba o posicionamento dos parlamentares. Vamos denuncia-los. Não se pode permitir a precarização e o fim dos direitos trabalhistas”, disse Alexandre Caso, representando a Intersindical Central da Classe Trabalhadora, na reunião com as frentes.

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se em nosso canal no YouTube

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários