Em acordo no MPT, Hospital de Caridade manterá empregos por 6 meses

Em acordo no MPT, Hospital de Caridade manterá empregos por 6 meses

Em acordo no MPT, Hospital de Caridade manterá empregos por 6 meses

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A mediação do Ministério Público do Trabalho, solicitada pelo SindSaúde/SC para tentar frear as demissões em massa no Hospital de Caridade por conta das terceirizações dos setores de nutrição e lavanderia, conseguiu garantir o emprego das/os 70 trabalhadoras/es desses setores durante os próximos 6 meses. A decisão foi tomada nesta quarta-feira (22/8), na terceira reunião de mediação conduzida pelo Procurador do Trabalho Sandro Eduardo Sardá.

O Hospital não voltou atrás das terceirizações, mas concordou em manter os empregos por pelo menos 6 meses, acatando recomendação do MPT. Agora, esses/as 70 pessoas deverão ser realocadas em outros setores do Hospital que não foram terceirizados. Esta designação deverá ocorrer em reuniões individuais entre cada trabalhador/a e o setor de Recursos Humanos da instituição, sendo garantido pelo acordo firmado no MPT a presença de um representante do Sindicato. O acordo também prevê a possibilidade de demissão com pagamento integral das verbas rescisórias e de multa de 40% do FGTS daquelas/es que manifestarem desejo de se desligar do Hospital.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Por conta do processo de realocação das/os 70 trabalhadoras/es, que será obrigatoriamente acompanhado por um diretor do Sindicato, o SindSaúde/SC está convocando todas/os para comparecerem na sede do Sindicato (Rua Frei Evaristo, 77), nesta sexta-feira ( 24/8), para tirarem dúvidas e preencherem um formulário com informações pessoais e de formação que auxiliarão na mediação das reuniões que vão realocar essas/es trabalhadoras/es. Trabalhadoras/es que não puderem vir na sexta-feira, também podem vir na quinta-feira (23/8).

Legitimidade dos contratos de terceirização

Durante a reunião desta quarta no MPT, o Sindicato também questionou a legitimidade dos contratos firmados pelo Hospital de Caridade com as empresas terceirizadas que assumirão os setores em questão. Os contratos vêm sendo firmados unilateralmente pelo Provedor da instituição, sem a assinatura do Procurador-Geral, contrariando o artigo 35 do Estatuto da Irmandade. Além disso, a decisão de terceirizar as atividades dos setores de nutrição, lavanderia e estacionamento não foram objeto de discussão na Irmandade.

Manutenção dos empregos é vitória das/os trabalhadores

Informado sobre a intenção do Imperial Hospital de Caridade de demitir quem trabalha nos setores que prestam serviços de apoio para promover terceirizações, o Sindicato esteve no hospital na manhã da sexta-feira (20/7) para conversar com essas/es trabalhadoras/es, bem como com a direção da instituição.

As conversas com trabalhadoras/es transcorriam normalmente quando a gerente de Recursos Humanos e o próprio Provedor do Hospital tentar impedir o diálogo. Este último, o chefe máximo da instituição filantrópica, ameaçou abertamente um diretor do SindSaúde/SC, perseguindo-o, usando palavras de baixo calão e expulsando-o do Hospital, num evidente desrespeito à legítima atividade sindical. O Sindicato registrou Boletim de Ocorrência contra o Provedor e ingressou com representação no Ministério Público do Trabalho, pedindo investigação por cerceamento da atividade sindical.

Após o ocorrido, visando reverter as demissões e terceirizações, o Sindicato conseguiu audiências no Ministério Público do Trabalho (MPT) e Superintendência Regional do Ministério do Trabalho e Emprego para tentar impedir demissões em massa e reverter a terceirização de setores inteiros no Hospital de Caridade.

MPT recomendou suspensão de demissões desde a primeira audiência

A primeira audiência, realizada na terça-feira (1º/8), na sede do Ministério Público, foi conduzida pelo Procurador do Trabalho Sandro Eduardo Sardá terminou com uma recomendação para que o Hospital desistisse das demissões, “uma vez que configura demissão em massa, vedada pelo ordenamento jurídico e por recentes precedentes do TRT 12ª Região”.

O MPT também ressaltou em ata que “a terceirização do Hospital de Caridade não se mostrará frutífera na redução de custos e que redundará na precarização das condições de trabalho e dos serviços prestados à população catarinense.”

Naquela reunião, o Procurador do Trabalho convocou o provedor do Hospital de Caridade Eduardo Dutra da Silva para estar presente em nova audiência e exigiu que o Hospital entregasse informações sobre as contratações, os setores e número de trabalhadores atingidos pela medida, prazos de realização das rescisões, bem como documentos como contratos de terceirização firmados, seus planos de trabalho e folhas de pagamentos dos setores prejudicados, além da ata na qual a Diretoria do Hospital decidiu pela terceirização.

Na segunda audiência, realizada no MPT no dia 13 de agosto, uma nova recomendação foi expedida para que o Hospital mantivesse suspensas as demissões até audiência final, que ocorreu hoje. Naquele segundo encontro, após análise dos documentos solicitados ao Hospital referentes às terceirizações, o MPT ressaltou que o contrato firmado com a empresa Pan Nutri Refeirções Eireli deveria ser prontamente rescindido, uma vez que a empresa não conta com nenhum empregado registrado nos últimos cinco anos, e que não foi possível verificar a idoneidade da empresa.

O MPT também registrou que a terceirização do estacionamento poderia gerar passivo trabalhista ao Hospital, uma vez que a empresa terceirizada possivelmente não pagará o adicional de insalubridade que há décadas vem sendo pago a essas/es empregadas/os. A possibilidade de que a nova empresa não pague adicionais de insalubridade também foi tema de debate na terceirização da nutrição e, mais uma vez, o MPT alertou para a responsabilidade trabalhista ao Hospital e civil dos responsáveis legais do contrato.

Por fim, o procurador Sardá solicitou, durante aquela audiência, a realização de inspeção no Hospital ao Conselho Regional de Enfermagem e ao Ministério do Trabalho e Emprego, afirmando em ata que “o próprio Hospital juntou registro fotográfico comprovando a precariedade das condições de trabalho nos setores de lavanderia e nutrição.

Fonte: SindSaúde-SC


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários