Ação elaborada por Intervozes questiona no STF constitucionalidade do controle de emissoras de rádio e TV por políticos

Ação elaborada por Intervozes questiona no STF constitucionalidade do controle de emissoras de rádio e TV por políticos

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O artigo 54 da Constituição Federal proíbe deputados federais e senadores de firmar contrato com empresa concessionária de serviço público, mas o fato é completamente ignorado. Dezenas de outorgas de licenças de rádio e TV estão nas mãos de parlamentares que as usam em larga escala como moeda de barganha.

Por esse motivo o coletivo de comunicação Intervozes denuncia o uso das concessões como forma de obter apoio político, a utilização da outorga para influenciar a opinião pública a favor de seus sócios ou aliados e contra seus adversários e a utilização do poder parlamentar para obter ou renovar outorgas próprias.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Como não tem prerrogativa para abrir ação contra os parlamentares diretamente no Supremo Tribunal Federal (STF), o Intervozes solicitou ajuda ao PSOL. E o partido, que possui tal prerrogativa, protocolou no último sábado (5/12) a Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF 379) no STF, na qual questiona o controle de emissoras de rádio e TV por políticos.

A ação afirma que a prática viola outros preceitos fundamentais, como o direito à informação, a realização de eleições livres, o pluralismo político e o princípio da isonomia. A ADPF 379 apresenta cópias de todos os atos e documentos oficiais que os comprovam o controle de dezenas de outorgas por pelo menos 30 deputados federais e 8 senadores e identifica três tipos de uso político das licenças de rádio e TV.

Na avaliação dos proponentes, pela competência atribuída a deputados e senadores para legislar sobre o serviço de radiodifusão e apreciar os atos de outorga e renovação de concessões, sua participação nas empresas de comunicação “provoca um inaceitável conflito de interesses e rompe a isenção e a independência dos parlamentares”.

Posicionamento do STF

Em 2014, o STF se pronunciou sobre o problema durante o julgamento da Ação Penal 530, que condenou um deputado federal por falsificação do contrato social de uma rádio FM. Segundo o Acórdão do Supremo, a falsificação foi feita para omitir a condição de sócio do parlamentar, em razão da vedação prevista no artigo 54 da Constituição e no artigo 38, § 1º, da Lei nº 4.117/62.

Durante o julgamento, a ministra Rosa Weber afirmou que, para garantir “espaço livre para o debate público, não é suficiente coibir a censura, mas é necessário igualmente evitar distorções provenientes de indevido uso do poder econômico ou político”. O mesmo deputado federal condenado havia participado da reunião da Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara que aprovou a licença de sua própria rádio.

Saiba mais sobre a ADPF 379

Na ADPF protocolada neste final de semana, o PSOL pede que o STF conceda liminar proibindo a União de renovar ou outorgar novas licenças de rádio e TV a empresas que possuam políticos como sócios diretos ou indiretos; o Congresso Nacional de aprovar tais licenças; o Poder Judiciário de diplomar políticos eleitos que sejam sócios de tais empresas; e o Poder Legislativo de dar posse a esses políticos. O objetivo é evitar que os princípios constitucionais voltem a ser lesados.

Por fim, a ADPF 379 pede que o Supremo declare tais práticas como inconstitucionais e comunique às autoridades e órgãos responsáveis pela concessão e renovação das outorgas como os preceitos fundamentais devem ser aplicados neste campo, visando a repetição de tais atos no futuro. O PSOL pretende ainda que o STF condene o Ministério das Comunicações por omissão na fiscalização das licenças de rádio e TV.

No último dia 23, o Ministério Público Federal também recebeu representação contra parlamentares proprietários de concessionárias de radiodifusão. Uma série de ações pedindo o cancelamento das outorgas deve ser movida pelo MPF em diferentes estados da federação.

Confira abaixo a lista dos parlamentares mencionados na ADPF 379.

Deputados Federais

  1. Adalberto Cavalcanti Rodrigues – PTB/PE;
  2. Afonso Antunes da Motta – PDT/RS;
  3. Aníbal Ferreira Gomes – PMDB/CE;
  4. Antônio Carlos Martins de Bulhões – PRB/SP;
  5. Átila Freitas Lira – PSB/PI;
  6. Bonifácio José Tamm de Andrada – PSDB/MG;
  7. Carlos Victor Guterres Mendes – PMB/MA;
  8. César Hanna Halum – PRB/TO;
  9. Damião Feliciano da Silva – PDT/PB;
  10. Dâmina de Carvalho Pereira – PMB/MG;
  11. Domingos Gomes de Aguiar Neto – PMB/CE;
  12. Elcione Therezinha Zahluth Barbalho – PMDB/PA;
  13. Fábio Salustino Mesquita de Faria – PSD/RN;
  14. elipe Catalão Maia – DEM/RN;
  15. Félix de Almeida Mendonça Júnior – PDT/BA;
  16. João Henrique Holanda Caldas – PSB/AL;
  17. João Rodrigues – PSD/SC;
  18. Jorginho dos Santos Mello – PR/SC;
  19. José Alves Rocha – PR/BA;
  20. José Nunes Soares – PSD/BA;
  21. José Sarney Filho – PV/MA;
  22. Júlio César de Carvalho Lima – PSD/PI;
  23. Luiz Felipe Baleia Tenuto Rossi – PMDB/SP;
  24. Luiz Gionilson Pinheiro Borges – PMDB/AP;
  25. Luiz Gonzaga Patriota – PSB/PE;
  26. Magda Mofatto Hon – PR/GO;
  27. Paulo Roberto Gomes Mansur – PRB/SP;
  28. Ricardo José Magalhães Barros – PP/PR;
  29. Rodrigo Batista de Castro – PSDB/MG;
  30. Rubens Bueno – PPS/PR.

Senadores

  1. Acir Marcos Gurgacz, PDT-RO;
  2. Aécio Neves da Cunha, PSDB-MG;
  3. Edison Lobão, PMDB-MA;
  4. Fernando Affonso Collor de Mello, PTB-AL;
  5. Jader Fontenelle Barbalho (PMDB-PA);
  6. José Agripino Maia, DEM-RN;
  7. Roberto Coelho Rocha, PSB-MA;
  8. Tasso Ribeiro Jereissati, PSDB-CE.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

PEC 32 da REFORMA ADMINISTRATIVA é adiada, vitória dos trabalhadores
PEC 32 da REFORMA ADMINISTRATIVA é adiada, vitória dos trabalhadores
PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
PEC 32 e o Desmonte do Serviço Público
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
Intersindical contra a PEC 32 em Brasília
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários