“A tarefa é clara: temos que politizar os trabalhadores”, defende chileno Ortiz

“A tarefa é clara: temos que politizar os trabalhadores”, defende chileno Ortiz

"A tarefa é clara: temos que politizar os trabalhadores", defende chileno Ortiz

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Presidente Nacional da Confederação Geral dos Trabalhadores Públicos e Privados (CGTP) do Chile, José Ortiz criticou a situação do sindicalismo latino-americano em sua fala durante o 1º Seminário Internacional da Intersindical, nesta quarta-feira (13). Para Ortíz, nas últimas décadas, parte do sindicalismo se restringiu às lutas econômicas, deixando de lado a politização de seus filiados. O resultado foi assistir às bases sindicais apoiando projetos de direita, como nas eleições recentes de Brasil e Chile: “votaram nos próprios carrascos”.

Na concepção de Ortiz, o papel do sindicato não se limita à defesa dos interesses de curto do prazo dos trabalhadores, mas também daqueles objetivos de longo alcance. Por isso, as entidades devem ser escolas de formação política e social para os filiados. “Os trabalhadores devem ser conscientizados para entender a luta de classes e disputar a hegemonia cultura e o poder nas sociedades”, sintetizou. Nesse sentido, lembrou do governo do “socialismo de empanadas e vinho tinto” de Salvador Allende (1970-1973), resultado das lutas sindicais e populares no Chile.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Ao caracterizar a conjuntura atual de retrocessos, o dirigente chileno destacou a ofensiva do imperialismo estadunidense, em especial com relação à Venezuela, que se “converteu na pedra do sapato dos “Estados Unidos”. “Donald Trump quer acabar com o sonho de Chávez, da construção da Patria Grande, com um novo golpe de estado, usando todas as ferramentas do sistema: sabotagens petroleira, alimentícia, elétrica, greves patronais, desabastecimento”, afirmou.

Ortiz também lembrou do golpe de 2016 no Brasil, da prisão de Lula e das tentativas de encarceramento de Cristina Kirchner e Rafael Correa. São sinais de que “o imperialismo não descansa”. “Querem sempre mais, querem se apropriar dos fundos de aposentadoria, privatizar saúde e educação, menos impostos aos lucros, acabar com as liberdades sindicais”.

Apesar disso, Ortiz disse que não há tempo para se lamentar e que o movimento sindical precisa retomar a iniciativa de enfrentamento à onda internacional de retrocessos. Para isso, segundo ele, a tarefa prioritária é a politização dos trabalhadores”.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários