A resistência começa pelo direito à aposentadoria do povo

A resistência começa pelo direito à aposentadoria do povo

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Classe trabalhadora vai resistir!

A farsa, o terrorismo e o ódio saíram vitoriosos das urnas. Depois de anos a fio de manipulação por parte da mídia corporativa, de utilização seletiva do aparato judicial e de uma campanha criminosa de mentiras e fake news, o poder econômico conseguiu manejar a boa fé da maioria do nosso povo e garantir, nas urnas, a legalização do golpe de 2016, a continuidade da agenda ultraliberal, instalando um governo autoritário e fascista.

A ampla unidade dos setores populares e das forças vivas da nossa sociedade conseguiu, entretanto, mais de 45 milhões de votos na reafirmação da democracia, dos direitos sociais e de uma agenda soberana de desenvolvimento e distribuição de renda. Os setores sociais que se aliaram à candidatura de Haddad, em particular das Frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular, das centrais sindicais e dos partidos de esquerda são a base para a resistência social que se fará necessária.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Nem bem assumiu o posto, o capitão já autorizou os ataques ao povo brasileiro, começando pela tentativa de aniquilar o direito à aposentadoria, através de uma reforma na previdência para entregá-las aos bancos privados e ao rentismo. Tudo indica que o aliado Temer já vai iniciar o serviço mais sujo para o capitão do mato dar continuidade ao desmonte dos direitos sociais pretendido pelo capital financeiro e grandes empresários. O desmonte do serviço público é outro alvo do capitão, que deve contar também com a artilharia de Temer.

Além de uma agenda econômica que mira os direitos e as políticas sociais que beneficiam os mais pobres, o fascista quer encarcerar os filhos da classe trabalhadora, através da redução da idade penal, ampliar o extermínio e a criminalização da população pobre, censurar a educação e amordaçar as críticas e criminalizar ainda mais a luta social no Brasil.

Cabe destacar que a onda reacionária nos costumes será usada contra o campo popular, com vistas a afastar o povo das organizações populares e progressistas.

A luta social e o combate a esses retrocessos não podem se dar de maneira fragmentada, com cada setor social buscando dar respostas à sua pauta mais imediata. Isso é o que espera os inimigos do povo. Ao contrário, devemos buscar reorganizar o campo popular para enfrentar globalmente a agenda ultraliberal e reacionária, sem nos deixar isolar da população trabalhadora tão bombardeada pelo terrorismo da agenda reacionária.

É no terreno da luta por direitos sociais e melhorias concretas nas condições de vida do nosso povo que teremos condições de desmascarar a farsa, defender os direitos sociais e a democracia, derrotando o fascismo, as tentativas autoritárias e todas as ações que atentam, principalmente, contra os setores mais vulneráveis da nossa sociedade.  

Edson Carneiro Índio,
Secretário Geral da Intersindical


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários