A política salarial nos programas dos candidatos à Presidência

A política salarial nos programas dos candidatos à Presidência

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

O processo eleitoral pelo qual passa o Brasil de hoje assume duas marcas fundamentais. Por um lado, tornou-se uma fábrica de mentiras, pelas denominadas “fake news”, que junto com um esquema forte de comunicação digital (e ao que tudo indica, também ilegal – ver denúncia aqui) levou o candidato Jair Bolsonaro a quase ganhar as eleições no primeiro turno.

Por outro lado, a ausência do debate assume uma característica também fundamental. O candidato Bolsonaro esconde suas propostas ao não aceitar debater com o candidato Fernando Haddad, deixando evidente seu intuito de ocultar seu programa político e econômico para os trabalhadores brasileiros.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

É como se o Brasil não tivesse afundado numa profunda recessão econômica, com 27 milhões de trabalhadores desempregados e desalentados. As soluções para a crise não aparece no embate público.

O Olhar de Classe analisou o programa dos candidatos sob uma ótica apenas: a ótica do salário. No programa de Jair Bolsonaro, composto de 81 páginas, aparece uma menção apenas ao salário, fora do contexto de sua valorização (na página 58, quando defende o regime de capitalização da previdência ao defender a redução da tributação sobre salários).

Já o programa de Fernando Haddad faz 10 menções ao salário, todas elas no sentido de sua valorização, desoneração e fortalecimento (link ao final – ver páginas 4, 5, 8, 39, 40 e 42).

Vale ainda dizer, que o deputado Jair Bolsonaro votou contra o aumento do salário mínimo enquanto deputado. E como tem defendido abertamente o retorno as bases do regime militar inaugurado na ditadura de 1964, vale conferir abaixo o gráfico que apresenta uma série histórica dos últimos 60 anos do salário mínimo.

Como visto, no regime militar o salário sofreu quedas dramáticas, o que impactou diretamente no poder de compra do trabalhador brasileiro e, portanto, nas suas condições de existência. Portanto, é mito a ideia comumente vendida de que a ditadura do passado incorreu em melhorias econômicas (ainda que tenha havido certa modernização nos padrões de consumo), bem como é mito a ideia de que Jair Bolsonaro tem algo de bom a oferecer para o trabalhador, tendo em vista seu histórico de votações e na flagrante ausência de uma política de valorização real do salário mínimo em seu programa.

Fica ainda evidente nos programas dos candidatos a envergadura de classe de cada um: Bolsonaro se volta para o andar de cima, os mais ricos que vivem de renda e privilégios. Já Haddad se volta aos mais pobres, a partir da noção de preservação dos direitos e da soberania, para atacar as desigualdades. O gráfico abaixo trata da concentração de renda nos últimos 60 anos.

Neste momento delicado pelo qual passa o país é preciso ressaltar as diferenças e dizer que o pano de fundo da disputa presidencial guarda interesses de classes antagônicos, que o trabalhador brasileiro esteja alertado para as diferenças e vote de modo consciente.

Fonte: Olhar de Classe


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários