A JUSTIÇA DO TRABALHO É DO TRABALHADOR: NÃO À EXTINÇÃO!

A JUSTIÇA DO TRABALHO É DO TRABALHADOR: NÃO À EXTINÇÃO!

A JUSTIÇA DO TRABALHO É DO TRABALHADOR NÃO À EXTINÇÃO

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Caros trabalhadores,

O novo ano que se inicia já vem consolidado por uma série de retrocessos em que sofremos diversas perdas de direitos trabalhistas, o que inclui Reforma Trabalhista de Michel Temer, a ampliação da terceirização e a iminente votação da Reforma da Previdência pela Câmara Federal. Com a posse do novo governo, sobram evidências de que o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) e sua equipe não devem facilitar para a vida dos trabalhadores.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Antes mesmo de assumir, o presidente anunciou a extinção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), tendo diluído as atribuições da pasta em pelo menos outros três ministérios: um verdadeiro desrespeito à história de luta da classe trabalhadora brasileira. Não satisfeito, Bolsonaro continua querendo perseguir os trabalhadores ao afirmar que a extinção da Justiça do Trabalho não está descartada, utilizando de informações falsas para alcançar tal objetivo.

Ele afirma, por exemplo, que o Brasil é o único país que conta com uma Justiça do Trabalho, o que não é verdade. Várias nações como Inglaterra, Alemanha, França, Suécia e Noruega dispõem de uma justiça especializada que garante o direito à defesa em conflitos nas relações de trabalho, sejam eles individuais ou coletivos.

O atual presidente da República ainda afirmou que a Justiça do Trabalho oferece um excesso de proteção aos trabalhadores e dificulta a vida de empregadores e empresários. Entretanto, quando observamos que mais de 12 milhões de brasileiros estão desempregados e a informalidade já atinge 43% dos trabalhadores em atividade, é possível comprovar que a cultura de desgaste dos direitos trabalhistas já é uma realidade.

Portanto, há um claro interesse do novo governo, aliado aos grandes empresários e banqueiros, em continuar precarizando a mão de obra e explorar o trabalhador. Sem o Ministério do Trabalho e possivelmente sem a Justiça do Trabalho, a gestão da política salarial e a fiscalização do trabalho – que busca coibir e punir abusos patronais, inclusive o trabalho escravo – serão afetadas. Soma-se a isso a proposta de criação de uma “Carteira de Trabalho Verde e Amarela”, que invalida direitos garantidos na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e deixa o trabalhador completamente desamparado.

Sempre na linha de frente em defesa dos trabalhadores, o Sindifort e a Intersindical – Central da Classe Trabalhadora e demais entidades e movimentos repudiam a forma como o presidente eleito vem tratando com descaso a pauta trabalhista e reafirmam que estamos atentos a todos os ataques declarados pelo atual governo! Acreditamos que somente com a Justiça do Trabalho, autônoma e independente, será possível cumprir com a Carta Internacional Americana de Garantias Sociais e com os fundamentos básicos da Constituição de 1988: dar assistência e amparo ao trabalhador e oferecer condições suficientes para uma vida saudável e digna.

Convocamos todo(a)s a fazer parte desta frente de resistência no Ceará aos ataques sofridos pela Justiça do Trabalho! Participe do Ato em Defesa da Justiça do Trabalho no dia 21 de janeiro (segunda-feira), a partir das 7h30, em frente ao Fórum Autran Nunes (Av. Tristão Gonçalves, 912 – Centro). Mais do que nunca, precisamos estar mobilizados junto aos demais sindicatos e movimentos de classe em defesa dos direitos dos trabalhadores e dos instrumentos de concretização de garantias sociais do Brasil.

Não aceitamos nenhum direito a menos! Juntos na resistência!

Intersindical – Central da Classe Trabalhadora
MTST – Movimento dos Trabalhadores Sem Teto

Sindifort (Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos do Município de Fortaleza)
Sindispumi (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Independência-CE)
Maioria Sisemjum (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Juazeiro do Norte)
Siatrans (Sindicato dos Agentes de Trânsito do Estado do Ceará)
Sindipub (Sindicato dos Servidores Municipais de Barro-CE)
Sindicato dos Mototaxistas de Crateús-CE
Sindicultura-CE (Sindicato de Cultura do Estado do Ceará)
Siproedh (Sindicato dos Professores de Horizonte)
Sindican (Sindicato dos Servidores Municipais de Alcântara-CE)
Movimento Popular e Social Círculos Populares
Movimento  Social e Popular IGUALDADE
Movimento de Periferia Demócrito Rocha
ADEP (Associação para o Desenvolvimento Social e Cidadania do Planalto Pici e Adjacências)
Associação dos Servidores do Instituto Doutor José Frota

Fonte: SINDIFORT

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Nilza, pela Intersindical, neste #24JForaBolsonaro na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Edson Índio, Secretário Geral da Intersindical, neste #24JForaBolsonaro, na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Camila, das Brigadas Populares, no #24JForaBolsonaro na Paulista
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários