7S do Povo e o fracasso de Bolsonaro

7S do Povo e o fracasso de Bolsonaro

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Foram 300 mil pessoas em mais de 200 municípios que neste 7 de setembro, Dia da Independência, gritaram contra o golpe, a carestia e o autoritarismo de Bolsonaro. 

Durante dois meses a base bolsonarista organizou o ato, de natureza golpista, neste 7 de setembro, o alvo da vez foi o Supremo Tribunal Federal – STF. Procurando reproduzir a mesma tática de Trump, Bolsonaro mobilizou seus apoiadores para uma pretendida “invasão da sede STF em Brasília”, o que não aconteceu. 

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

Mesmo com todo apoio do Governo Federal e do agronegócio, a manifestação bolsonarista em Brasília foi um grande fracasso, não passaram de 20 mil pessoas, em sua grande maioria desorganizada e motivadas unicamente por um ódio irracional ao STF. Em São Paulo, a manifestação foi maior, chegando a mais de 100 mil pessoas, porém um contingente muito menor do que o esperado pelo presidente.

Para além dos números, a estratégia golpista de Bolsonaro para o 7 de setembro fez água devido à composição social dos atos. As polícias militares não aderiram aos atos, a principal aposta de Bolsonaro caiu por terra. Os governadores, que de fato institucionalmente controlam as PMs, conseguiram conter o motim conclamado por Bolsonaro e obstruir que policiais entrassem no jogo do presidente. Este fato foi fundamental para o dia infeliz do bolsonarismo. 

A tentativa fracassada de golpe cobrará seu preço, setores dentro da própria base de Bolsonaro já questionam o ato, esperavam uma invasão apoteótica e viveram uma situação, no mínimo, patética. Sem força real para ocupar o STF, Bolsonaro em Brasília, fez um discurso fraco aos seus apoiadores, que a rigor, não convenceu sua base. Logo depois, viajou para São Paulo, mesmo contando com maior participação, a PM não aderiu, e não se podia fazer mais nada. Bolsonaro perdeu o dia e saiu, no mínimo, com uma dor de cabeça para resolver. Como dar um golpe sem o apoio das forças de segurança?

Por outro lado, as forças sociais, partidos de esquerda, movimentos sociais e populares, sindicatos organizados nas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, realizaram atos em mais de 200 cidades, reunindo aproximadamente 300 mil pessoas pelo país. O 7 de Setembro foi a convergência da agenda tradicional da esquerda, o Grito do Excluídos, e os atos Fora Bolsonaro. 

O #7SForaBolsonaro foi uma demonstração que os movimentos populares e de esquerda não se rendem à ameaça golpista e não recuaram das ruas. A ameaça de violência produzida pelo bolsonarismo não surtiu efeito. 

A Intersindical Central da Classe Trabalhadora, como parte da Frente Povo Sem Medo, atuou na construção nacional dos atos neste 7 de setembro e avalia que é o momento de conectar a luta pela democracia com a denúncia da carestia, do desemprego, da fome e das mortes. Segundo Edson Carneiro Índio, Secretário Geral da Intersindical, “Bolsonaro ataca não apenas à democracia, mas à dignidade do povo, sua forma de subsistência, é um genocida. Diante disso, o 7S é mais uma demonstração de unidade, de que defende a democracia, mas também quem defende a vida, o emprego e os direitos. Saímos maiores deste ato, e Bolsonaro perdeu o rumo de Brasília”. 

Viva o 27° Grito dos Excluídos
Fora Bolsonaro

Pedro Otoni – Secretário de Comunicação da Intersindical

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Manifestação contra a #PEC32
Manifestação contra a #PEC32
#7SForaBolsonaro
#7SForaBolsonaro
Raul Campos, trabalhador da #PROGUARU, no 7S Fora Bolsonaro!
Raul Campos, trabalhador da #PROGUARU, no 7S Fora Bolsonaro!
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários