14 de abril: dia de luta e mobilização dos servidores municipais em Fortaleza!

14 de abril: dia de luta e mobilização dos servidores municipais em Fortaleza!

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

A campanha salarial não terminou e as entidades sindicais do Fórum Unificado convocam a continuidade da luta com assembleias setoriais das categorias, manutenção do estado de greve e construção de movimento paredista. Dia de luta e mobilização nesta quinta-feira, 14 de abril, com concentração a partir das 8h na Praça do Ferreira.

Vamos à luta!

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O prefeito Roberto Cláudio, assim como a presidente Dilma e o governador Camilo, querem jogar nas costas dos servidores e demais trabalhadores a conta da crise pela qual são responsáveis.

Dia 22 de março, a Câmara Municipal de Fortaleza votou o reajuste salarial dos servidores e empregados públicos municipais sob intenso protesto. Anteriormente, os servidores já haviam realizado diversas manifestações e lutas, inclusive com ocupação do Plenário da própria Câmara. (veja como votaram os vereadores no verso)

A proposta do prefeito de reajuste aprovada é 2% em março, com retroatividade a data base de 1º de janeiro; e 8,5% em dezembro, sem retroatividade.

Para as entidades sindicais, a gestão de Roberto Cláudio desrespeita os trabalhadores do município, com um reajuste que não repõe nem a inflação de 2015. Não houve negociação do reajuste. Houve uma imposição do prefeito.

Na mesma data em que os vereadores votaram o reajuste de 2% para servidores, reajustaram seus próprios salários em 10,67% com retroatividade a janeiro!

Emlurb

Com a mudança de regime na Emlurb, a Prefeitura de Fortaleza atacou vários direitos dos trabalhadores e colocou em risco até mesmo os empregos. Para impedir estes prejuízos, o Sindifort ingressou na Justiça e conseguiu suspender temporariamente a mudança de regime. Esta medida forçou a Emlurb/Urbfor a negociar um acordo que foi assinado na Justiça do Trabalho e que garante não só o emprego dos funcionários, mas outros direitos antes ameaçados.

Mesmo com abaixo-assinado em contrário, veja os benefícios que a ação civil pública do Sindifort garantiu:

  1. Prazo até o dia 07 de março de 2016 para os 180 empregados que ainda não fizeram a opção pela mudança de regime, possam fazer esta opção e garantir os seus empregos.
  2. Quem já ganhou as ações judiciais (transitadas em julgado), não precisa desistir das mesmas, podendo receber os atrasados calculados até janeiro/16.
  3. Receber o FGTS sem pagar advogado.

4.Os empregados que têm processos do Plano de Cargos ou de equiparação salarial que não transitaram em julgado (não ganharam a ação), terão até o dia 31 de março para protocolar os termos de desistência da mesma.

Essa vitória do Sindifort mostra quem realmente tem compromisso com os garis e demais empregados da Emlurb/Urbfor.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

2 de outubro FORA BOLSONARO
2 de outubro FORA BOLSONARO
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
Nilza Pereira: Unidade é a chave para derrotar Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
100 mil na Paulista pelo Fora Bolsonaro
Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários