11/11 é Dia Nacional de Greves

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Saiba mais:
11/11 – Dia Nacional de Greves começa forte em todo o País


Cruzar os braços, paralisar a produção e a circulação pra defender direitos sociais, o serviço público e a soberania nacional.

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

O movimento sindical comprometido com a classe trabalhadora prepara para o próximo 11 de novembro o Dia Nacional de Greves. As lutas e mobilizações do dia 11 serão fundamentais para a construção e organização da greve geral necessária para barrar a agenda golpista, que visa permitir a terceirização e precarização geral e irrestrita, desmontar os serviços públicos, acabar com o direito à aposentadoria e as leis trabalhistas e entregar o pré-sal e as riquezas do país para as multinacionais.

De norte a sul do Brasil, inúmeras categorias, de todos os ramos cruzarão os braços e sairão às ruas para protestar contra os retrocessos sociais que compõem a agenda golpista.

A juventude que ocupa escolas e universidades está dando um grande exemplo de luta. A classe trabalhadora não pode ficar inerte diante de tantos ataques.

Nenhuma organização da classe trabalhadora pode abdicar da luta neste dia 11. Não há mais o que esperar. Até para a continuidade do calendário unificado é necessário realizar fortes mobilizações e lutas neste dia 11.

Diante do julgamento prometido pelo STF para o próximo dia 09, que pode permitir a terceirização e precarização geral e irrestrita, a paralisação nacional no dia 11 se tornou ainda mais necessária.

A Intersindical Central da Classe Trabalhadora considera fundamental a construção efetiva e sincera da unidade entre as centrais sindicais e o conjunto dos movimentos sociais do país. E as mobilizações do dia 11 serão fundamentais para essa unidade e a construção da greve geral.

 Resolução da Direção Nacional da Intersindical

Construir a unidade e organização para a greve geral. Nenhum direito a menos. Fora Temer.

O governo ilegítimo de Michel Temer, instalado por meio de um golpe de Estado, e sua maioria no Congresso Nacional, aprofundam os ataques aos direitos sociais, à democracia e à soberania nacional. A ofensiva brutal da agenda golpista visa transferir ao grande capital rentista os recursos públicos, mais renda do trabalho e os recursos naturais, a partir do aprofundamento da exploração sobre a classe trabalhadora, do desmonte do serviço público, a drástica redução do papel social do Estado e a entrega das riquezas do país, como o pré-sal para as multinacionais.

A PEC 241 se configura como uma desconstituinte. Destrói as possibilidades de o Brasil garantir serviços públicos suficientes na saúde, educação e demais áreas sociais, além de por fim a fundamental política de valorização do salário mínimo. Temer congela os recursos para as políticas públicas para liberar mais dinheiro para o rentismo parasitário que suga o orçamento através dos juros e das amortizações da dívida pública.

As prometidas reformas da previdência e trabalhista, o projeto da terceirização, o amplo processo de privatização, entre outros projetos regressivos, demonstram que o grande capital e a direita, no Brasil e no centro do império norte-americano, aceleram os desdobramentos do golpe contra o povo brasileiro.

Além dos ataques aos direitos, está em curso uma escalada repressiva. A quebra da institucionalidade se apresenta de diversas maneiras. Ampliação do caráter seletivo da justiça, da repressão aos movimentos sociais, dos conflitos pela terra na cidade e no campo, reforma do ensino médio, censura e mordaça à educação são desdobramentos do Estado de exceção em curso.

De outra parte, o governo golpista revela que a promessa de retomada do crescimento econômico não passou de demagogia para usurpar o poder e aprofundar as políticas neoliberais, pois o desemprego se amplia, retorna o arrocho salarial e a redução do poder de compra dos salários, assim como o endividamento das famílias, o que reflete na deterioração das condições de vida da classe trabalhadora. A despeito disso, os setores conservadores, golpistas e neoliberais saíram fortalecidos do recente processo eleitoral.

Neste momento, as ocupações de escola pela juventude, bem como das Universidades e Institutos Federais apontam que a resistência social será ampla e radicalizada. Eis o caminho para barrar a agenda regressiva do golpe, nada podemos esperar de um Congresso formado em sua maioria por uma casta política privilegiada e anti-popular.  

A Frente Povo Sem Medo, em unidade com outros setores sociais, intensifica as mobilizações de rua. Diversas organizações se articulam para a construção de uma greve geral.  É fundamental a construção da unidade efetiva e sincera dos movimentos sociais, em particular das centrais sindicais, para barrar a agenda do golpe.        

Diante desse quadro, a Direção Nacional da Intersindical orienta as entidades, organizações e militantes que constroem nossa central a:

1- barrar a aprovação da PEC 241 na votação prevista para acontecer nos próximos dias. Para isso, devemos organizar a pressão sobre os deputados federais em Brasília e em suas bases, além de realizar massivas manifestações em todo o país;

2- construir a mobilização e realizar fortes paralisações dos locais de trabalho e de circulação nos dias 11 e 25 de novembro;

3- defender a realização de um grande Encontro da Classe Trabalhadora em defesa dos direitos e contra a agenda do golpe;

4- participar das atividades convocadas pela Frente Povo Sem Medo e fortalecer seus eixos de luta;

5- apoiar e estimular a luta das juventudes e toda iniciativa em defesa da educação, da saúde e dos direitos sociais;

6- envolvimento na campanha latino-americana de combate ao feminicídio conjuntamente com a Federação Sindical Mundial (FSM) a partir da construção de atos, greves e iniciativas de comunicação;

7- construir o encontro dos povos no campo no primeiro semestre de 2017 como um espaço de aglutinação das diversas experiências de resistência e produção e de aprofundamento do caráter da Intersindical em seu objetivo de organizar a classe trabalhadora de maneira ampla e nas suas mais diversas formas de organização.

São Paulo, 23 de Outubro de 2016.
Direção Nacional da Intersindical Central da Classe Trabalhadora

Acha esse material importante? Cadastre seu e-mail para receber nossa newsletter.

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email

Já assistiu nossos últimos vídeos no YouTube?

Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
Intersindical no #19JForaBolsonaro na Av. Paulista
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
ELEIÇÕES PERUANAS [Intersindical Debate #34]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
POR QUE IR ÀS RUAS NO 19J? [Intersindical Debate #33]
Inscreva-se
Notificar de
guest
3 Comentários
Mais antigos
Mais recentes
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
MARISE
MARISE
4 anos atrás

A IMPRENSA NÃO ESTÁ DIVULGANDO AS MOVIMENTAÇÕES CONTRA A PEC. SE FOSSE DIVULGADO ISSO, COM CERTEZA MUITAS PESSOAS SE UNIRIAM ÀS MANIFESTAÇÕES!!!NÃO ADIANTA SÓ GREVE E MANIFESTAÇÃO, EMBORA DEVAM OCORRER PARA INTEIRAR A POPULAÇÃO DO QUE ESTÁ ACONTECENDO. INFELIZMENTE ESSAS FERAS HUMANAS DO GOVERNO TEMER SÓ VÃO ENTENDER QUANDO FOREM SITIADOS!! GOVERNO E EMPRESARIO NENHUM ESTRANGEIRO VAI ACREDITAR QUE DURANTE 20 ANOS O BRASIL MANTERÁ A PEC!! HÁ O RISCO DE GUERRA CIVIL E QUAL EMPRESARIO E GOVERNO INVESTIRIA NUM PAIS DESSES?

Egídio Di Beo Neto
Egídio Di Beo Neto
4 anos atrás

Em conjunto com outras medidas do governo temer, A PEC 241-55 promoverá, verdadeiro genocídio dos mais pobres e parte da “classe média”. Acelerará a concentração de riqueza e da propriedade, atingindo em cheio as pequenas e médias empresas. Favorecerá e muito tão somente o grande capital nacional e internacional. O Brasil precisa parar e gritar: nem um dia a mais para Temer, seu governo e seus aliados institucionais.